fbpx
19.5 C
São Paulo
terça-feira, 07 dezembro 2021
HomeCinemaMostra de Cinemas Africanos no Sesc

Mostra de Cinemas Africanos no Sesc

Evento acontece entre 1º a 10 de outubro. Os filmes ficaram disponíveis na plataforma Sesc Digital de forma gratuita

A Mostra de Cinemas Africanos (MCA) será promovida pelo Sesc São Paulo, entre 1º e 10 de outubro. São 30 títulos de ficção e documentários de 16 países, a maioria inéditos no Brasil.

O ciclo online e gratuito apresenta 12 sessões, com dez longas e dois programas de curtas, todos legendados em português. Entre os destaques da programação estão exemplos recentes do cinema de gênero da África do Sul, Nigéria e Uganda. Mas não só. A amostra também evidencia a representatividade. Ainda mais com curtas dirigidos por mulheres, com uma mostra competitiva simultânea com o Benin e uma seleção de produções árabes do norte da África.

As exibições acontecem na plataforma Sesc Digital e contam com o apoio da Embaixada da França no Brasil e do Institut Français. No link também é possível encontrar mais informações. Esta é a segunda edição da Mostra de Cinemas Africanos em parceria com o Sesc São Paulo

Programação da Mostra de Cinemas Africanos

Cartão de Divulgação da Mostra de Cinemas Africanos – créd. Jéssica Patrícia Soares

O primeiro filme a ser exibido é “Juju Stories” (2021). A produção ficou por parte do coletivo nigeriano Surreal 16, com três histórias de bruxaria dirigidas por C.J. Obasi, Abba Makama e Michael Omonua. A narrativa tem o foco no folclore nigeriano e na lenda urbana.

“Em geral, se vincula a ideia de cinema africano a filmes de arte ou político e sempre queremos quebrar esses estereótipos”, explica Ana Camila Esteves, que divide a curadoria com Beatriz Leal Riesco.

Da África do Sul vêm o road movie feminista “Flatland” (2019), de Jenna Bass. Logo após tem a apresentação do genêro o policial, mas ambientado no mundo do boxe “Knuckle City” (2019), de Jahmil X.T. Qubeka. De acordo com a curadora Ana Camila, as produções não são americanizadas. Por isso, assistir os filmes africanos pode ser uma descolonização da sétima arte.

“Os gêneros cinematográficos africanos são comuns e bem particulares. Não seguem a lógica de Hollywood, por exemplo”, conclui.

Neste ano, a mostra está bem diversa, principalmente levando em consideração a questão do gênero. Além disso, um curso gratuito será ministrado por Jusciele Oliveira. O objetivo é trazer luz sobre o tema.

Série documental de Bob Marley tem participação de Tropkillaz

Ficção

Além disso, a Mostra também conta com títulos de ficção. Como, por exemplo, o drama autoral nigeriano “Para Maria” (2020), que é um relato sobre depressão pós-parto, de Damilola Orimogunje.

Ainda assim, também temos “Edifício Gagarine” (2020), de Fanny Liatard e Jérémy Trouilh, que é ambientado no universo da diáspora francesa. “A Garota do Moletom Amarelo” é um suspense ugandês (2020), de Loukman Ali.

Com a temática sobrenatural o filme “Você morrerá aos 20” (2019), tem produção de Amjad Abu Alala, do Sudão. Os três longas documentais da seleção são produções ligadas à Argélia: “Meu Primo Inglês” (2019), de Karim Sayad, “Rua do Saara, 143” (2019), de Hassen Ferhani, e “O Último Refúgio” (2021), de Ousmane Samassekou.

Todos os filmes da mostra ficam disponíveis apenas em território brasileiro. No entanto, “Edifício Gagarine” fica online por 24 horas e “Você morrerá aos 20”, tem limite de 500 visualizações.

Confira abaixo o trailer do filme Juju Stories.

Curadoria

O primeiro é fruto de parceria com a Mostra de Cinema Árabe Feminino (Brasil), que exibe sete filmes com temáticas, gêneros e formatos diversos.

A curadoria é de Analu Bambirra e Ana Camila Esteves e abrange Sudão, Tunísia, Marrocos, Egito e Argélia. Já o segundo programa traz 13 títulos do Festival International des Films de Femmes de Cotonou 2021 (Benin), dirigido por Cornélia Glele.

Produções de dez países africanos participam desta primeira mostra competitiva da MCA, simultaneamente no Brasil e no Benin, com um júri brasileiro formado por Morgana Gama (BA), Bethânia Maia (DF) e Mariana Angelito (RJ).

O catálogo digital da mostra virá com material inédito, que inclui traduções de artigos de pesquisa sobre cinemas africanos, sinopses exclusivas e resenhas dos longas assinadas pelo crítico nigeriano Dika Ofoma.

Rede de apoio

A programação da Mostra de Cinemas Africanos conta ainda com apoio da Cinemateca da Embaixada da França no Brasil e do Institut Français. Além da agência do Ministério das Relações Exteriores e Europeias para a difusão cultural exterior da França, por isso traz os longas: “Você morrerá aos 20”, “Rua do Saara, 143” e “Edifício Gagarine” e a sessão de curtas Mostra de Cinema Árabe Feminino.

Compartilhe

Maria Angélicahttp://www.todosnegrosdomundo.com.br
Tenho 22 anos, sou nascida e criada no litoral, caiçara com muito orgulho. Além disso, também sou formada em Comunicação Social - Jornalismo. Sempre me encantei com o poder das palavras e por isso sinto que o jornalismo me escolheu, durante a minha breve trajetória profissional tive a oportunidade de contar histórias lindas e é o que pretendo continuar fazendo.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES