Colunistas, Dança

Diário de Viagem: Ainda no RJ nossa bailarina faz sua sétima parada

TNM 7 - FOTO ABERTURA

Omar Jimenez e Glêu

No Rio de Janeiro encontrei além de danças afro-brasileiras, dança afro-colombiana.

Entre os bares e os restaurantes da Lapa, o professor Omar Jimenez, também dançarino, percussionista e ator colombiano, trabalha com o resgate da dança e da música africana e colombiana. Ensina ritmos de percussão na primeira parte da aula e vai introduzindo os passos de dança em meio ao treinamento dos tocadores.

Aprendemos passos de Currulao, ritmo do folclore afro colombiano. Tem esse nome em referência a tambores de origem africana, os cununos. Dança vinda do litoral do pacífico da Colômbia é dançada em forma de cortejo, tendo passos específicos para homens e mulheres, que o professor passa com a mesma sabedoria e técnica. Os homens têm passos fortes, em que se agacham, levantam, giram e sapateiam com força, enquanto as mulheres demonstram uma aparente delicadeza.

A coreografia foi dançada na aula em dois formatos, que são bem característicos: em corredor (uma fila de pares) e em roda.

Veja aqui um pedacinho da aula:

https://www.facebook.com/carlosomar.jimenez.1/videos/1038431666221990/

O diferencial para mim na aula do professor Omar foi a finalização. Um momento para livre expressão da dança de cada um. Os alunos, em duelos, dançam e colocam seu aprendizado de passos dentro do ritmo que é tocado pelos percussionistas.

Uma aula de dança indicada para quem quer aprender. Com bastante repetição dos passos, é uma aula alegre e o professor muito animado.

Também ali, próximo a Lapa, fui a uma aula da professora G’leu Cambria. A coreógrafa baiana teve a dança iniciada no terreiro de candomblé ainda criança. Ainda em sua cidade natal, Ilhéus, criou o grupo de dança Balé Afro do Bloco Dilazenze, em que coreografou e foi diretora artística entre os anos de 1995 e 2003.

Dá aula no Rio de Janeiro desde 2002, quando se mudou para a cidade. E mesmo tendo introduzido elementos contemporâneos de dança afro-brasileira, a professora utiliza passos de orixás na forma mais pura que as demais aulas que fiz com outros professores. E faz isso com muita propriedade.

Uma aula cheia de energia, com muitos alunos e ao som de uma percussão ao vivo, que deixa a aula ainda mais vibrante.

Um pouco da aula da professora G’leu Cambria:

Serviço

Aulas do professor Omar Jimenez:

Ocorrem aos sábados, 14h, na Rua do Resende, 52 – Lapa – Rio de Janeiro/RJ.

Mais informações em: https://www.facebook.com/Omar-Jimenez-Oriny-866439933439133/

Aulas da professora G’leu Cambria:

Ocorrem nas segundas e quartas e também nas terças e quintas, às 19h, no Espaço Marun – Rua do Catete, 124 – Lapa – Rio de Janeiro/RJ.

Mais informações em: https://www.facebook.com/GleuCambria

 

Perfil Camila CamargoCamila Camargo é negra e bailarina, aspirante a produtora cultural e a percussionista. É formada em Publicidade e Propaganda pela ESPM-Sul e especializada em Design Estratégico pela UNISINOS em Porto Alegre. Está sempre buscando as melhores experiências que o mundo pode proporcionar e os aprendizados que elas trazem. Muito ligada à espiritualidade, tem como intenção de vida criar movimentos de conexão.

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By TNM
Load More In Colunistas

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

3 motivos para mulheres praticarem a masturbação

Quando fui assistir à peça Monólogos da Vagina ...

Facebook

Newsletter