Historia

Conheça a história de transexuais negros no Dia da Visibilidade Trans

trans-texto

Com quantas pessoas transexuais você convive no seu dia a dia? Quantas travestis estudam ou trabalham com você? Você já namorou um ou uma transexual?

Por si só, falar de transexualidade no Brasil é falar de um cenário de marginalização. Aqui é o país que mais mata travestis e transexuais no mundo em números absolutos, segundo dados da Transgender Europe (TGEU). Entre janeiro de 2008 e março de 2014, foram registradas 604 mortes, um número que pode aumentar drasticamente se consideramos casos subnotificados. São poucas as travestis que passam dos 35 anos, sendo que, 90% delas estão na prostituição, segundo a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA).

O cenário piora se fizermos um recorte racial dentro das questões de transexualidade. A invisibilidade aqui é muito maior. São opressões que se somam: pretos e pretas,  pobres em sua maioria, desviantes do papel de gênero que lhes foi atribuído ao nascimento. Juntas, essas opressões os empurram para longe. O enfrentamento dessas estruturas de poder é feito por homens e mulheres que resistem diariamente contra essas probabilidades. Homens e mulheres trans que se colocam na linha de frente da luta contra a transfobia. Na celebração do Dia Nacional da Visibilidade Trans, você vai conhecer três trajetórias de luta.

Gilmara Cunha

Gilmara Cunha é a primeira transexual a receber a Medalha Tiradentes – maior prêmio de honra dado pela Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro. Tal prêmio foi concedido por sua atuação no grupo Conexão G, que trabalha com a população LGBT no complexo da Maré. A violência contra LGBTs nos espaços periféricos ainda é grande, segundo ela. “Quem é gay, lésbica ou transexual de território de favela não usufrui dos avanços que os LGBTs do país vêm experimentando. Não lutamos para adotar um filho. Ainda estamos lutando para sobreviver”, disse a ativista em entrevista concedida a BBC Brasil. Ela é frequentemente convidada para palestrar sobre a temática e participa de diversas audiências públicas para pautar as necessidades de trans favelados.

Gilmara recebendo medalha. Foto: Alerj/Divulgação

Gilmara recebendo medalha. Foto: Alerj/Divulgação

Erika Hilton

Erika Hilton é a primeira candidata transexual que a cidade de Itu já teve. Entrou na última eleição como vereadora, mas teve a candidatura indeferida um dia antes das eleições, o que fez com que, mesmo tendo mais de mil votos, não pudesse assumir o cargo. Tal ação é entendida por ela como transfobia. Itu, que é o berço da república brasileira, ainda carrega consigo muitos traços de conservadorismo e pensamentos retrógrados. Ser travesti na periferia do interior do estado fez com que ela conhecesse o mundo da prostituição muito cedo.

erika

Erika Hilton em matéria para a revista Terraço, onde fala da conquista de seu nome social no cartão de ônibus da Viação Itu. Foto: Reprodução

Léo Peçanha

Homem trans e negro, Léo Peçanha está em frentes de militância como o TransRevolução, o Instituto Brasileiro de Transmasculinidades (Ibrat) e o Fórum Nacional de Pessoas Trans Negras. Entende que o ativismo é um ato político e procura com seus atos, dar a homens trans mais autonomia sobre suas vidas e na reivindicação de seus direitos. Com a sua militância, aprendeu a enxergar a transmasculinidade de diversas maneiras e percebe que a invisibilização de homens trans acontece porque, infelizmente, ainda não há na sociedade ao menos uma referência do que é ser homem trans, que são sempre vistos com o olhar patologizador ou lidos socialmente como “uma super lésbica”.

Léo Peçanha. Foto: Neto Lucon

Léo Peçanha. Foto: Neto Lucon

Essas três figuras, cada uma a seu modo, lutam por uma sociedade mais justa e mais digna a travestis e transexuais. Um dia como hoje é marco histórico para que histórias como essas não se percam e que direitos básicos sejam conquistados. Nome e sobrenome, carteira de trabalho, direitos trabalhistas. Coisas que aparentemente são banais tornam-se um sonho distante para quem é transexual, que vive tendo sua cidadania negada sistematicamente.

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By Erika Paixão
Load More In Historia

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Projeto visa manter viva a história do povo negro

Baquaqua foi um africano que, como muitos outros, foi ...

Facebook

Newsletter