fbpx
19.5 C
São Paulo
terça-feira, 18 janeiro 2022
HomeMúsicaAs minas dominam o rap

As minas dominam o rap

Já deu para perceber que as mulheres estão conquistando seu lugar e no rap não poderia ser diferente

O Hip Hop é um estilo de vida, isso todo mundo já sabe. Mas por muito tempo a cena era majoritariamente composta por homens e meninas ficavam apenas de canto. Atualmente, depois de muito esforço, podemos ver uma mudança. As mulheres estão ganhando e mostrando sua força. Temos grandes exemplos como Drik Barbosa, as gêmeas Tasha & Tracie, MC Drika, e na Baixada Santista não poderia ser diferente.

Meduza (@meduza.braba), sempre teve um contato muito próximo com o rap e foi a arte que a salvou. “Estava em um momento perdida, sem ânimo. Pensando que não adiantava estudar, era isso que a vida tinha para mim. Foi através do hip hop eu comecei a pensar diferente, porque era isso que o sistema queria para mim. Eu terei que ser mais. ”

KL Jay lança o clipe de “Estamos Vivos”

A Meduza do Rap

Quase todo rapper tem que ter um nome de impacto, algo que represente a sua caminhada, por isso Meduza não teve dúvidas quando escolheu o seu.

“É uma figura que representa força, apesar de tudo que ela passou. Sempre chamou minha atenção, e aí pensei esse vai ser o meu vulgo. Medusa, já passou muito machismo e rivalidade feminina, coisas que acontecem com as mulheres, né. infelizmente, desde o começo das nossas histórias, então foi algo que me identifiquei.”

Cantora de rap Meduza Braba
Cantora de rap Meduza Braba | Foto: Arquivo Pessoal

Viver da arte no Brasil não é uma tarefa fácil. Ainda mais com o hip hop, que ainda é marginalizado. A cultura que nasceu na periferia segue abrindo portas para meninos e meninas. Graças a revolução do rap temos talentos que ultrapassam gerações. “Sou mãe, sou MC, já consegui ganhar com a minha arte. No começo parecia impossível, mas hoje vejo que não é.”

Meduza segue buscando seus objetivos de viver totalmente da música e ajudar a família. Para isso, ela sabe o quão importante foi e ainda é o apoio de todos. O rap é um movimento porque une as pessoas, os propósitos e cria conexões por onde passa.

A principal característica do rap da baixada é a união. Por mais que as cidades são distantes, um coletivo está sempre trabalhando e fechando com o outro, ” relata a rapper.

Prêmio Nacional RAP TV 2021: quem são as novas caras do hip-hop?

Batalha do Caoz

As meninas do rap se deparam com um cenário machista e, para virar o jogo, o jeito foi tomar as rédeas da situação. Em 2017, na cidade de São Vicente, nasceu a batalha do Caoz, idealizada pela Meduza. A ideia deu muito certo, hoje em dia o movimento continua se reinventando e já voltou com as apresentações presenciais em São Vicente, coordenadas pela Gabrie Santos, vulgo @gabitopia.

“Em 2019 produzimos uma mixtape com uma música de cada MC que estavam no front do Caoz como Ganjão, Meduza, Mylin, @777criminosa, Luna e eu, Gabitopia, também convidamos a poeta Maya e a rapper que também é drag Vinih Amorim,” afirma Gabitopia.

Integrantes de rap Batalha Caoz
Integrantes da Batalha de rap Caoz | Foto: Arquivo Pessoal

A Batalha do Caoz foi criada com o objetivo de trazer mais mulheres para o cenário do rap no litoral sul, mas se tornou uma referência e uma forma de resistência LGBTQIANP + .

“A Batalha do Caoz surgiu após a Meduza Braba presenciar uma rima machista contra o Ganjão, antes conhecido como Tavares MC, o João Pedro. Ele saiu triste da batalha pela rima machista que ouviu, vinda de uma criança. A Meduza sugeriu então fazer uma batalha, entre nós, que teria foco em mulheres, num primeiro momento, pois o João ainda não tinha passado pela transição. Assim que passou uns meses em 2018, ele não ia mais frequentar a batalha “de mina” já que ele tinha entendido que era um menino trans e aí nós vimos a necessidade de ser um espaço LGBTQIANP +.”

Brenalta MC se classifica para o SLAM BR

Neste mês a batalha completou quatro anos, sobrevivendo a uma pandemia e mostrando o poder da cultura na vida das pessoas. Além disso, Caoz também cota com um podcast e um documentário, o projeto foi contemplado pela Lei Aldir Blanc. Para quem idealizou, é uma maneira de lutar por políticas públicas e realizar um trabalho que vai além das batalhas.

“Então dia 01 de dezembro de 2017 fizemos a primeira edição, um dia de chuva, com menos de 10 pessoas presentes. Desde então somos esse espaço de acolhimento e de produção cultural, em vários sentidos. ”

Compartilhe

Maria Angélicahttp://www.todosnegrosdomundo.com.br
Tenho 22 anos, sou nascida e criada no litoral, caiçara com muito orgulho. Além disso, também sou formada em Comunicação Social - Jornalismo. Sempre me encantei com o poder das palavras e por isso sinto que o jornalismo me escolheu, durante a minha breve trajetória profissional tive a oportunidade de contar histórias lindas e é o que pretendo continuar fazendo.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES