fbpx
19.5 C
São Paulo
domingo, 23 janeiro 2022
HomeNotíciaRacismo contra ativista de turbante em festa de formatura

Racismo contra ativista de turbante em festa de formatura

Representante do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial (CNPIR), Dandara Tonantzin Castro foi agredida no último sábado (23), durante a festa de formatura de Engenharia Civil da Universidade Federal de Uberlância (UFU). A militante, que também é diretora da União Estadual dos Estudantes de Minas Gerais (UEE-MG), teve o turbante arrancado, sofreu xingamentos e ameaças, enquanto atiravam cerveja em seu corpo. Diante do acontecido Dandara, que foi a última a sair do evento com medo de novas agressões, desabafou em suas redes sociais através de um texto intitulado “A nossa presença incomoda”.

Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook

E incomoda mesmo. Dandara, que já tem nome de luta, conta que participava da formatura de amigos e, no baile, quando foi de turbante sentiu olhares incomodados com sua presença e suas vestes. Quase no fim da festa, já do lado de fora do estabelecimento onde o evento acontecia, um homem puxou seu turbante não uma vez. A militante reclamou, se afastou e, de repente, quando passou novamente por esse homem, ele repetiu o ato. Mais uma vez, Dandara reclamou. No entanto, nesse momento foi rodeada por mais agressores que, juntos, a acuaram enquanto a cegavam com a cerveja que dispensavam do alto.

Os amigos da mulher negra logo chamaram a segurança do local para retirar os agressores. Dandara dá ênfase ao fato de que todos seguranças eram negros e entenderam a situação como racismo. Segundo a publicação, as namoradas dos envolvidos foram para cima da vítima, questionando a presença dela: afinal, se os racistas tinham saído por se envolver em briga, por que é que a mulher permanecia ali? Absurdo. Mesmo quando foi ao banheiro, Dandara foi ameaçada indiretamente. Na postagem, a militante lembra o quanto o racismo é cruel e do quanto o agressor segue normalmente sua vida: “Minhas lágrimas estão molhando muito a tela do celular, só de pensar que estes e tantos outros passaram impunes”.

É triste noticiar casos como o que Dandara sofreu. O pior é saber que, todos os dias, diferentes formas de racismo machucam a população negra, seja ele velado ou escancarado. A verdade é que a luta pelos espaços continua, mesmo que a publicidade insira negros ou a jornalista do tempo do maior jornal brasileiro seja negra. Porque a maior coerção racial, no Brasil, se dá quando menos se espera para que, diferente da militante, a vítima não exponha o caso e o país permaneça conhecido como o “do futuro” devido às relações inter-raciais estabelecidas aqui.

 

Compartilhe

Amanda Sthephaniehttp://www.todosnegrosdomundo.com.br
Preta. Pobre. Poeta. Periférica. Prounista. Filha de Oxum, tem paixão pela palavra e estuda o último ano de Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES