Agenda

Dia 15, estreia o espetáculo ‘Eleguá, Menino e Malandro’

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Representado por uma criança travessa e brincalhona, Eleguá é o mais importante dos orixás na santeria cubana. Com base na ancestralidade africana na cultura de países como Cuba e Brasil, o espetáculo “Eleguá, Menino e Malandro” estreia no próximo dia 15 (sábado), no Centro Cultural São Paulo (CCSP).

Apresentada até 21 de maio, todos os sábados e domingos, às 16h, a obra se divide entre narração do mundo a partir da visão cosmogônica africana, o nascimento e o relacionamento entre Eleguá e sua família. Com influência da tradição oral, da música, da dança afro-brasileira e afro-caribenha, o espetáculo tem ainda a rua como cenário dos acontecimentos para aproximar mito e público jovem, a partir de elementos como rap, funk e blues.

As linguagens abraçadas pela encenação nascem dos movimentos de expressão cultural e identidade negra, valorizando a influência da cultura tradicional que insere inclusive a figura do repentista nordestino como ferramenta da narrativa.

Os recursos utilizados na obra buscam apresentar uma visão além da cultura eurocêntrica, dissociando de Eleguá – ou Elegba, ou Elegbara, ou Exu, conforme também pode ser chamado – a característica distorcida que o cerca de preconceito e discriminação que o considera uma entidade voltada para o mal, anulando a essência do orixá que abre caminhos.

Serviço:

“Eleguá, menino e malandro”

Quando: 15 de abril a 21 de maio (sábados e domingos, às 16h)

Onde: Sala Jardel Filho / Centro Cultural São Paulo (CCSP)

Rua Vergueiro 1000 – Paraíso – São Paulo

tel: 3397 4002 / ccsp@prefeitura.sp.gov.br

Entrada: gratuita

Sem estacionamento

Faixa etária: livre

Acesso para cadeirantes na parte superior da sala Jardel Filho

 

Compartilhe esta notícia
  • Foto: Divulgação
    Agenda

    Dia 15, estreia o espetáculo ‘Eleguá, Menino e Malandro’

    Representado por uma criança travessa e brincalhona, Eleguá é o mais importante dos orixás na santeria cubana. Com base na ancestralidade ...
  • Foto: Reprodução
    Notícia

    12 anos de Ilú Obá de Min

    Mulheres que tocam tambor para o rei Xangô. Agogô, xequerê, djembé, alfaia. Também se ouve o canto. Brado forte. Alguns, mais ...
Load More Related Articles
Load More By Amanda Sthephanie
Load More In Agenda

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Cantora lírica Priscila Olegário apresenta o Recital “INTENSO” na Olido

  Integrante da Ópera de Bruxelas (Bélgica) e ...