Literatura

Zumbi assombra quem?’: escritor Allan da Rosa lança infantojuvenil sobre questões raciais

zumbi-assombra-quem_capa

Por Semayat Oliveira

No dia 3 de outubro o escritor e historiador Allan da Rosa lançou a segunda obra infantojuvenil e nono livro de sua carreira. Publicada pela Editora Nós, ‘Zumbi assombra quem?’ traz estalos, dúvidas e descobertas de Candê, um menino curioso sobre a africanidade que leva em seus poros, cabelos e passos. Unindo questões raciais e de classes, mergulhando em ancestralidade e infância, o título chega ao público nas vésperas do Dia das Crianças e próximo ao mês da Consciência Negra.

Zumbi é um tipo de monstro fedorento caindo aos pedaços ou um guerreiro pensante que mora nos vãos da terra? A pergunta que martela a cabeça do garoto direciona diálogos com o seu Tio Prabin, com a sua Mãe Manta e, em sonhos e lembranças, com a sua Vó Cota Irene, todos moradores de um bairro periférico. O enredo flui com personagens inusitados e cenários que vão de quintais a botecos. Pelos seus olhos de menino, surgem os mistérios, alegrias e medos de Zumbi ao lidar com questões que desafiam seu povo há séculos.

O livro abre horizontes sobre a história do Brasil, a paternidade, o cotidiano de uma família negra e periférica e o impacto do racismo no dia a dia, como o genocídio da sua juventude e a violência policial. Entre os vários elementos que inspiraram o processo criativo do autor, ser pai e ter desenvolvido o hábito de ler com e para seu filho, Daruê, hoje com 10 anos, foi uma das principais influências. Segundo o escritor, na concepção da obra, pensou nas mãos, íris e ouvidos das pessoas que terão contato com o livro. “Eu tenho o sonho de que as pessoas mais velhas leiam ‘Zumbi assombra quem?’ em voz alta e com a sua molecada e seus coroas, porque não há intimidade maior do que ler junto”, disse  Da Rosa.

Conhecendo as dificuldades e especificidades que uma criança negra enfrenta no Brasil, país com índices de violências que atingem sobretudo a população preta, o escritor buscou recursos para compor outras referências e imaginários na educação de seu filho. “Precisei, tanto por meio de historinhas, quanto de estudo da história, apresentar positividade a ele. Na minha busca, eu não queria apresentar só heróis infalíveis e idealizados, mas também as contradições da nossa história. Isso aparece nos diálogos do Tio Prabin com o menino Candê”, conta o escritor.

As imagens, cores e traços que dão vida aos dias e noites de aventuras são de Edson Ikê, ilustrador e designer com uma produção artística marcada por sua intensa pesquisa, que dialoga com as expressões da diversidade, da educação emancipadora e da beleza da simplicidade. Ikê faz ilustrações para livros didáticos (impresso e digitais), jornais, revistas, cartazes. A xilogravura é a base estética de suas produções. Também ilustrou os livros “No balanço da Maré” e “Sofi a pipa bailarina”.

Segundo Simone Paulino, diretora editorial da Nós, o livro tem uma originalidade literária e uma atualidade imensa, pois aborda a experiência de ser uma criança negra e periférica, a partir de uma narrativa protagonista e altamente poética. “É preciso, cada vez mais, incluir essa discussão na literatura infantojuvenil, mas de forma artística e a partir de vozes legitimas. A obra ‘Zumbi assombra quem?’  tem essas características, pelo conteúdo e pelo histórico do autor”, afirmou.

Sobre Allan da Rosa
Allan da Rosa é contista, poeta e dramaturgo. Capoeira angoleiro, é integrante do movimento de Literatura Periférica de SP desde o princípio. É historiador, mestre e doutorando em Cultura e Educação pela Universidade de São Paulo. Ali foi também estudante e professor do cursinho do Núcleo de Consciência Negra na USP. Sua dissertação intitulada “Corpo, Imaginário e Caneta – EJA e Matriz Afro-Brasileira” foi tecida com práticas e reflexões comunitárias em escolas periféricas da cidade e em cursos que promovia sobre formas, politicas e sentidos das culturas negras e da diáspora africana. Aprofundando elementos fundamentais da presença negra no Brasil como o jogo, a luta, o território, o espaço, a estética, as noções de tempo em espiral, etc, a série de cursos realizados durante anos em conjunto com movimentos sociais e artísticos originou o conceito de “Pedagoginga”. É autor de Reza de Mãe (2016), “Pedagoginga, Autonomia e Mocambagem (2014), “Da Cabula (Prêmio Nacional de Dramaturgia Negra Ruth de Souza (2007), entre outros. Já se apresentou em recitais, palestras e coordenou oficinas em todas as regiões do Brasil e em Cuba, Moçambique, EUA, México, Bolívia, Colômbia e Argentina.

Sobre a Nós:
Criação da jornalista e escritora Simone Paulino, nós somos uma jovem editora brasileira que realiza projetos literários inovadores, nos quais se destacam a qualidade editorial e gráfica, e principalmente a missão de interferir na formação cultural dos leitores e na sociedade à qual pertencemos, por meio da articulação transparente, democrática e inclusiva de parceiros que também compartilham deste ideal.

Sobre Edson Ikê
Passou por editoras, estúdios, agências, e hoje está a frente de seu estúdio Ensaio Gráfico. Atualmente, faz ilustrações para livros didáticos (impresso e digitais), jornais, revistas, cartazes. A xilogravura é a base estética de suas produções. Também ilustrou os livros “No balanço da Maré” e “Sofi a pipa bailarina”. A galeria de arte Smith & Lens (EUA/Mississipi) expôs suas gravuras em 2016. Foi indicado para os prêmios Esso e Abril Jornalismo pela matéria que ilustrou “África e Brasil: unidos pela história e cultura” pela revista Nova Escola pela editora Abril.”

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By Redação TNM
Load More In Literatura

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Livro infantil ressalta a importância da autonomia feminina

Com o Dia das Crianças chegando, falar de ...

Facebook

Newsletter