fbpx
19.5 C
São Paulo
sábado, 02 julho 2022
HomeTeatro“Sinhá Não Dorme” estreia no Zoom e conta com oficinas e debates

“Sinhá Não Dorme” estreia no Zoom e conta com oficinas e debates

Partindo de questões raciais e de gênero, o projeto discute o feminismo em perspectiva interseccional.

Debatendo temas como lesbofobia e o confinamento estrutural da mulher negra, estreia dia 19 de Março às 20h no Zoom (que você pode conferir clicando aqui) o espetáculo inédito “Sinhá Não Dorme”. Idealizado e estrelado pelas atrizes Glória Diniz e Roberta Valente, a peça reúne uma equipe artística principalmente formada por mulheres, com Tatiana Nascimento assinando o texto e Isabel Penoni a direção.

Curso sobre a história do teatro negro brasileiro

Misturando elementos do cinema e do teatro online, a montagem é um thriller eletrizante ambientado num quarto onde duas mulheres negras, ex-namoradas, discutem sua relação enquanto uma procura esconder da outra um assombroso mistério.  A montagem atualiza questões latentes, como os delírios racistas produzidos pela colonização, que marca a história de países como o Brasil.

Além da encenação virtual do texto, o projeto ainda contempla outras ações, como uma oficina de dramaturgia ministrada pela autora, Tatiana Nascimento, com vagas gratuitas destinadas, prioritariamente, para mulheres negras, e a mesa temática “Teatro e novas tecnologias”, que irá debater a imbricação entre a criação artística e as diferentes plataformas tecnológicas. Por fim, as atrizes e a diretora farão um bate-papo focado na publicização do processo de criação do espetáculo.

“Este texto é muito potente, porque fala da relação entre duas mulheres negras e delas com o mundo. Ao começar a estudar, a personagem que já nasceu na condição de empregada doméstica e considerada ‘da família’ percebe que sempre foi abusada e humilhada, confinada a um quarto de empregada. Desde os tempos coloniais, por maiores que fossem as casas, a mulher negra sempre foi colocada num lugar minúsculo, sem janela, onde mal cabia uma cama”, ressalta Roberta que, em 2016, após conhecer o dramaturgo angolano Mena Abrantes numa passagem pelo Rio de Janeiro, iniciou com Glória uma pesquisa em Luanda, capital de Angola, em contato direto com o autor e sua obra que inspirou a peça ‘Sinhá Não Dorme’.

Em uma sociedade de origem colonial e tradição escravocrata como a nossa não é possível pensar o lugar da mulher sem levar em conta outras intersecções, como a opressão de caráter racial. Mulheres negras nunca foram tratadas como frágeis, sempre trabalharam – ou como escravas, ou nas ruas, dentro da economia informal das mais variadas formas.

Existe aqui a relação de coisificação da mulher negra, afinal, o modelo estético de mulher é o da mulher branca. Quando as feministas brigavam por trabalho, as mulheres negras já estavam nas ruas. E é preciso lembrar que a sociedade brasileira é uma das mais violentas contra as mulheres – duas morrem todos os dias no Brasil, segundo o Núcleo de Estudos de Violência da USP. E isso também nos leva a uma das perguntas da peça: os corpos femininos são realmente das mulheres, ou a sociedade teima em ainda colonizá-los?

As atrizes acreditam que a encenação se faz muito importante no Brasil de hoje, em que urge um olhar para a mulher a partir de suas múltiplas intersecções de gênero, classe e raça. Para isso, convidaram um grupo diverso de mulheres para compor a equipe artística do trabalho, que inclui ainda Andrea Capella assinando a fotografia; Paula Stroher, a arte; Maíra Freitas a trilha sonora e produção musical; e Juliana França a assistência de direção.

Compartilhe

Vinícius Gonçalves
Vinícius Gonçalves
Geminiano, viciado em tecnologia, filmes de terror e cinema.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES