fbpx
19.5 C
São Paulo
domingo, 03 julho 2022
HomeTelevisãoPreto à Porter e as primeiras impressões

Preto à Porter e as primeiras impressões

Já assistiu Preto à Porter? Confira aqui algumas impressões do que já rolou - e do que ainda vem por aí.

Série da UOL, roteirizada, dirigida e apresentada por pretos estreou na terça-feira (24) e já está dando o que falar.

Preto à Porter mostra que não está para brincadeira. Citando uma das apresentadoras, Carol Sodré, a série é um “desfile de personalidades negras de todas as áreas. Mostrando a cada episódio um pouco de um Brasil que ainda está invisível.”

“O que é ser negro no Brasil? Série vai da Bahia a Rio e SP para responder | Preto à Porter” é o título do primeiro episódio. Afinal, o que é realmente estar nessa pele?

Com essa introdução, já sabemos que o programa chegou com tudo. Um dos objetivos é resgatar a história que ninguém conta. No sofá o comando do primeiro episódio fica por parte de Roger Cipó, Carol Sodré e Neyzona. Com imagens e produção impecáveis, a série nos transporta para uma viagem. É no Pelourinho, Bahia, que o resgate começa.

Mas não para por aí! Os temas são debatidos com leveza e muito conhecimento. Já é possível perceber que o trabalho de campo e pesquisa é intenso. Cada tópico envolve uma parte do país, como São Paulo, Salvador e Rio de Janeiro. Porém, de acordo com a divulgação, também haverá visitas a outros países. Além disso, conta com repórteres especiais pretos em cada um dos núcleos.

Dessa forma, o programa se transforma em um caldeirão de informações vindas dos quatro cantos do planeta, para mostrar a trajetória e existência do povo preto.

Entretanto, além dos apresentadores do estúdio, também vemos Hélio de La Peña conduzindo entrevistas exercendo todo o seu talento. Com uma carreira longa e uma identidade única, Hélio é um elemento essencial.

Roger Cipó apresenta nova série do UOL

As várias faces de Preto à Porter

Hélio de La Peña é o entrevistador de “Preto à Porter”. (Foto: Reprodução)

É até difícil descrever os mais de trinta minutos de duração da série. Ainda assim, a composição se encaixa perfeitamente. Das entrevistas aoo bate papo e até à trilha sonora. A música Preto à Porter, que traz o mesmo nome do programa, foi composta pelo trio “Os Gilsons”. Talento é o que não falta para o povo preto.

A representatividade é efetiva, ou seja, negros ocupando os espaços de criação para falar além do racismo. Como diz Roger Cipó, “a série vai resgatar a realeza negra aos quatro cantos do mundo.” A diáspora ainda é uma questão que não foi resolvida e nem estudada, falar sobre ancestralidade é também construir um futuro.

Além disso, Gilberto Gil, Preta Gil, a cozinheira Dadá, Chico Brown e Bruno Gagliasso são nomes confirmados para os próximos episódios.

Se ficou curioso, basta assistir ao primeiro episódio e acompanhar essa obra, que vale muito a pena.

Compartilhe

Maria Angélica
Maria Angélicahttps://todosnegrosdomundo.com.br
Tenho 22 anos, sou nascida e criada no litoral, caiçara com muito orgulho. Além disso, também sou formada em Comunicação Social - Jornalismo. Sempre me encantei com o poder das palavras e por isso sinto que o jornalismo me escolheu, durante a minha breve trajetória profissional tive a oportunidade de contar histórias lindas e é o que pretendo continuar fazendo.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES