fbpx
19.5 C
São Paulo
quarta-feira, 08 dezembro 2021
HomeLiteraturaPreta potência: Um livro sobre ancestralidade e empreendedorismo

Preta potência: Um livro sobre ancestralidade e empreendedorismo

O livro “Preta potência: Como a resistência e a ancestralidade me ajudaram a criar o maior evento de cultura negra da América Latina” foi escrito por Adriana Barbosa, a fundadora da Pretahub e da Feira Preta, criada em 2002.

Atualmente, o evento é considerado o maior de cultura e empreendedorismo negro da América Latina. Nos anos em que realizado de forma presencial, reuniu milhares de pessoas, com o objetivo de empoderar artistas e criadores negros.

Por conta da pandemia, a Feira Preta passou a ser online, mas com o avanço da vacinação e um retorno gradual da normalidade, é possível planejar e pensar como voltar ao presencial.

O livro conta a história das inúmeras lutas travadas diariamente para a realização desse sonho, não só por Adriana, mas por milhares de pessoas. Essa luta começa lá atrás, na época da escravização, e envolve uma imensa coletividade engajada em dar visibilidade e força a um povo que o Brasil insiste em subjugar. Povo que encontra, na Feira Preta, também um ambiente de celebração de sua ancestralidade, de sua cultura, de sua identidade, de sua raça.

Capa do livro Preta potência: Como a resistência e a ancestralidade me ajudaram a criar o maior evento de cultura negra da América Latina
Capa do livro Preta potência: Como a resistência e a ancestralidade me ajudaram a criar o maior evento de cultura negra da América Latina” | Foto: Reprodução

Preta Potência: Adriana Barbosa

Adriana Barbosa é uma Preta Potência. Empreendedora nata, além de transformar a sua dificuldade em luta, também abre portas para outros.

“Fui demitida e tive que me reinventar. Nessa época, já frequentava as baladas da Vila Madalena, zona oeste de São Paulo, com uma amiga. E, como as duas estavámos desempregadas, tivemos a ideia de transformar nosso espaço de diversão em dinheiro. Ela começou a vender pastel nas feiras e decidiu fazer um brechó em mercados alternativos com minhas roupas e acessórios. Sabe a ideia de ganhar hoje para comer amanhã? Era isso“, conta Adriana, em trecho de sua entrevista para a revista Glamour.

Já ouviu falar do Mercado Negro de Wall Street?

Feira Preta

O Marketplace Feira Preta nasceu para levar até os consumidores a multi-pluraridade criativa e cultural afro, por meio de produtos e serviços oferecidos por empreendedores que ajudaram a movimentar o Festival Feira Preta, maior evento de cultura negra da América Latina, que já soma 19 anos de história.

Entendemos o empreendedorismo negro como ator fundamental na mudança estrutural de um mercado que precisa absorver e respeitar as existências pretas enquanto potência criativa. Por isso, o Marketplace Feira Preta é uma iniciativa que valoriza o empreendedor negro a partir de um olhar honesto e propositivo, reconhecendo que ele é precioso na construção de um ecossistema mais justo e equilibrado em oportunidades e resultados financeiros.

Em suma, é a compreensão de que muito já foi feito, mas que o futuro é promissor, vasto e precisa ser olhado a partir da inventividade preta para fazer negócio. Inventividade esta que é o que existe de mais criativo e inovador nas práticas de um mercado saturado com a falta de representatividade e proporcionalidade em seus modos de idealizar, desenvolver e escoar produtos e serviços.

Compartilhe

Maria Angélicahttp://www.todosnegrosdomundo.com.br
Tenho 22 anos, sou nascida e criada no litoral, caiçara com muito orgulho. Além disso, também sou formada em Comunicação Social - Jornalismo. Sempre me encantei com o poder das palavras e por isso sinto que o jornalismo me escolheu, durante a minha breve trajetória profissional tive a oportunidade de contar histórias lindas e é o que pretendo continuar fazendo.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES