fbpx
19.5 C
São Paulo
terça-feira, 07 dezembro 2021
HomeNotíciaOs limites raciais do mundo da fantasia

Os limites raciais do mundo da fantasia

A ficção é onde tudo pode acontecer e a literatura é a personificação do lúdico. Se pode tudo, por que não pode o protagonismo não-branco?

 A leitura é uma arma poderosa, incentiva a imaginação e a criatividade, além de educar com um toque lúdico. Quem lê, aprende a escrever e compreender o mundo de forma diferente. Porém existe uma constância na maioria dos livros de fantasias que são produzidos para o público infantojuvenil, quase sempre, ou então sempre, os personagens são brancos. Na famosa trilogia Jogos Vorazes, a personagem principal Katniss Everdeen foi descrita com a pele cor de oliva, cabelos escuros e olhos cinzas, assim como seu pai e outros moradores do Distrito 12, um local extremante pobre. As questões raciais estão subentendidas no livro, mas são apagadas na adaptação cinematográfica, afinal a atriz escolhida para interpretar Katniss foi Jennifer Lawrence, uma mulher branca de olhos claros.

Antoine Gregory lança ‘Feira de Moda Preta’

Jennifer teve uma ótima atuação, mas por que não escalar alguém de cor para o papel? E por que é tão difícil encontrar personagens não-brancos em livros infanto-juvenis? Quando se analisa algumas dessas obras, logo se encontra a falta de personagens com etnias e cores diversas. Não basta aguçar a imaginação dos jovens, é preciso uma representatividade e uma escrita que saia da bolha de um mundo feito por brancos e para brancos, sendo necessário deixar bem claro a descrição do personagem.

Temos algumas obras com protagonistas não-brancos e, até o momento, nenhuma delas foi adaptada para as telonas. Children of Blood and Bone, escrito por Tomi Adeyemi, que além de ter diversos personagens negros, inclusive as duas principais – Zélie e Amari – o livro é inspirado em mitologias do oeste africano. Ainda falando de obras que saem do eixo americano e europeu, podemos citar A Rebelde do Deserto, ambientado nas Arábias com uma personagem feminina muito forte e composto praticamente por pessoas de cor. Recentemente os diretos da trilogia foram comprados pela produtora da Willow Smith, então é uma esperança que talvez possamos ver uma adaptação mais fiel.

Além desses, tem vários outros como Jovens de Elite; Winter da série Crônicas Lunares – que, por sinal, mistura vários elementos das histórias de contos de fada e Rainha Vermelha, com a personagem Mare Barrow. Muitas vezes que a adaptação desta obra entra em pauta, alguns pedem para que atrizes brancas  a interpretem, o que seria um erro e um descaso com a história.

Essas leituras são de extrema importância, principalmente para um público mais juvenil, que precisa ser representado dentro da fantasia e até mesmo se inspirar na garra e força dos personagens para lidar com as adversidades do mundo. Para crianças e jovens  pretos e pretas, essa carga é ainda maior pois quem não quer se ver em algo mágico? Que possamos ler e assistir mais gente de cor e que autores e autoras também possam descrever sem medo um personagem negro.

Compartilhe

Maria Angélicahttp://www.todosnegrosdomundo.com.br
Tenho 22 anos, sou nascida e criada no litoral, caiçara com muito orgulho. Além disso, também sou formada em Comunicação Social - Jornalismo. Sempre me encantei com o poder das palavras e por isso sinto que o jornalismo me escolheu, durante a minha breve trajetória profissional tive a oportunidade de contar histórias lindas e é o que pretendo continuar fazendo.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES