fbpx
19.5 C
São Paulo
domingo, 15 maio 2022
HomeOpiniãoOpinião: Caso Cláudio Botelho e o medo do racista de ser chamado...

Opinião: Caso Cláudio Botelho e o medo do racista de ser chamado de racista, por Luiza Gannibal

 

Opinião – Por Luiza Gannibal

O episódio “Claudio Botelho” e seu pedido de desculpas deixou uma coisa – que todos nós pretos já sabíamos, aliás – bastante evidente: o branco morre de medo de ser chamado de racista.

Ele não aceita essa pecha. Você pode dizer o que for pro sujeito, mas chamá-lo de racista não, jamais, ele não é, em hipótese alguma.

E, pra se safar dessa “encrenca”, ele vai fazer de tudo: pedir ajuda dos coleguinhas (ainda mais racistas), sugerir uma história cabulosa, dizer que não disse “negro”, imagine, que disse foi “nêgo”, referindo-se a “uma pessoa qualquer”.

Ou, no mais provável dos cenários, vai tergiversar, tentar despistá-lo, reivindicar que estão tratando-o como bode expiatório, porque ele não pode pagar por todos os males do mundo; ou fazer-se de sonso e pobre coitado, como se você estivesse atentando contra sua honra e ofendendo-o no mais íntimo de seu ser.

Não branco. Não. Não há problema nenhum em assumir-se racista. Mesmo por que você não está sozinho nessa. Tem racista a dar com pau por aí. A sociedade é racista, o racismo a estrutura, forma seus pilares, e os que mais perdem com isso somos nós, pretos.

É preciso que se entenda, de uma vez por todas, que assumir-se e reconhecer-se racista (por mais que isso doa, e é preciso doer) é das posturas mais verdadeiras que podemos testemunhar atualmente.

O branco nos ofende muito mais quando diz que não é racista, após um fato consumado (ou dezenas de fatos e situações), do que quando simplesmente assume seu racismo – com o adendo de que deseja mudar.

Porque só se assumindo racista que o sujeito pode começar a vislumbrar um horizonte de mudanças rumo a uma sociedade menos racista ou, o que me parece um tanto utópico, uma sociedade onde o racismo inexista. Não há outro meio. Fica a dica.

PS: Okay. Você não precisa assumir em público. Mas, pelo menos, assuma pra si mesmo. Já é um avanço.

 

Luiza Gannibal – Jornalista, afrofuturista e doutoranda em Literatura e Cultura Russa na USP (Universidade de São Paulo)

 

Compartilhe

- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES