fbpx
19.5 C
São Paulo
quarta-feira, 29 junho 2022
HomeMúsicaUM, DOIS, TRÊS, QUATRO: NA BATIDA (VOL. 3)

UM, DOIS, TRÊS, QUATRO: NA BATIDA (VOL. 3)

KL Jay Na Batida (Vol. 3) está nas pistas com nomes clássicos do rap nacional.

Semana passada, foi ao ar o episódio de “Mano a Mano” em que Mano Brown entrevistou Lula. Nessa conversa, Lula mais de uma vez dá a entender que não se fazem Lulas e Mano Browns com frequência. Mano discorda e diz que já existem e até melhores. No rap, por exemplo, são muitos os nomes que representam (quem sou eu pra dizer melhores, né). Acho que é seguro dizer que um deles é o Emicida. Já o Emicida, por sua vez, em entrevista ao PodPah, relembrou os tempos em que esperava por horas para encontrar com KL Jay no centro de São Paulo só pra tocar sua mão e mandar alguma coisa tipo um “da hora, mano?” Um ídolo é um ídolo, né, mores? Por isso, é com muita alegria que viemos falar sobre “Na Batida (Vol. 3)”, disco com um compilado de artistas com os clássicos do rap nacional.

Conheça “Clímax”, com participação de Dexter

Na Batida

O primeiro volume de “Na Batida” saiu há 20 anos. O mundo era outro rolê. O presidente brasileiro era Fernando Henrique Cardoso. Já nos Estados Unidos, era o republicano George W. Bush. Além disso, o ano de 2001 foi marcado pelo ataque às Torres Gêmeas em Nova Iorque e por importantes perdas na cultura, como a morte de Jorge Amado, Milton Santos, Cássia Eller, Marcelo Fromer, George Harrison e Aaliyah.

Já o segundo volume saiu em 2018 com várias participações especiais. O intervalo entre o segundo e o terceiro foi bem menor, mas num momento bastante simbólico também, das condições da pandemia ao momento político.

Com seu primeiro volume lançado 20 anos atrás, a 3ª edição de “Na Batida” traz nomes clássicos do rap nacional. (Foto: Reprodução)

Participações

Bom, vou começar dizendo que senti falta das mulheres nas participações? Vou. A faixa “Mente Engatilhada” tem a participação de Dina Di e, claro, as faixas com o RZO têm a participação da Negra Li. E, pelo que pude perceber, é só.

Ainda assim, o selo de KL Jay, o KL Música, já tem o histórico de apoiar novos artistas. E a ideia do disco era carregar as histórias e as lembranças dos clássicos do rap nacional. Nesse sentido, vale dizer que o disco tem participações pesadas. Para citar algumas: Mano Brown, Eddie Rock, Xis, SNJ, MV Bill.

Além do histórico que já o consagra como a grande referência no rap nacional tanto como coletivo quanto por sua carreira individual, KL Jay segue fazendo o que ama: música. Em seu canal no YouTube, também compartilha produções em série com outros brabos do rap.

Compartilhe

Thais Sena
Thais Senahttps://todosnegrosdomundo.com.br
Sou professora de inglês, formada em Comércio Exterior, estudante de Pedagogia na Universidade Federal de São Paulo e parte do grupo de Pesquisa Laroyê - Culturas Infantis e Pedagogias Descolonizadoras. Já atuei como professora voluntária e em projetos populares, fez formação em parceria com a Prefeitura de São Paulo e o Conselho Britânico e há 6 anos atua também na Ebony English, que ensina inglês com cultura negra.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES