fbpx
19.5 C
São Paulo
domingo, 28 novembro 2021
HomeNotíciaLeia a íntegra do discurso de Michelle Obama válido seguramente ao Brasil

Leia a íntegra do discurso de Michelle Obama válido seguramente ao Brasil

“Donald Trump … não pode enfrentar este momento. Ele simplesmente não pode ser quem precisamos que ele seja para nós. É o que é.”

Com o discurso mais esperado da Convenção Nacional Democrata de segunda-feira, 17 de agosto de 2020, Michelle Obama fez uso de poderosas palavras para defender seu candidato à presidência deixando clara a extrema importância do voto devido as consequências causadas ao país após uma escolha equivocada.

A ex-primeira-dama encerrou o evento virtual de duas horas todo pautado sobre o tema da união.

Veja abaixo os trechos de maior relevância do discurso de Michelle.

“Eu sou uma das poucas pessoas que vivem hoje que viram em primeira mão o imenso peso e o incrível poder da presidência”, disse Michelle Obama. “O trabalho é difícil. Requer um julgamento claro, um domínio de questões complexas e concorrentes, uma devoção aos fatos e à história, uma bússola moral e uma capacidade de ouvir. E, uma crença inabalável de que cada um dos 330 milhões de vidas neste país tem significado e valor. “

“Você não pode fingir seu trabalho”, acrescentou ela, “ser presidente não muda quem você é, isso revela quem você é. Bem, uma eleição presidencial pode revelar quem nós somos também.”

Obama – que disse a famosa frase “quando eles caem, nós sabemos” durante seu discurso no *DNC de 2016 – também usou seu tempo para falar sobre os resultados das eleições de 2016, a pandemia global e o movimento Black Lives Matter. *Convenção Nacional Democrata.

“Nos últimos quatro anos, muitas pessoas me perguntaram: ‘Quando os outros estão indo tão baixo, ir alto ainda funciona?'”, Disse Obama. “Minha resposta: subir é a única coisa que funciona, porque quando caímos, quando usamos as mesmas táticas de degradar e desumanizar os outros, apenas nos tornamos parte do ruído feio que abafa todo resto. Nós nos degradamos. Nos degradar as próprias causas pelas quais lutamos. “

Ela continuou: “Mas sejamos claros: subir ao alto não significa sorrir e dizer coisas boas quando confrontado com a maldade e a crueldade. Subir significa seguir o caminho mais difícil. Significa abrir caminho até o topo da montanha. Indo alto significa permanecer feroz contra o ódio enquanto nos lembramos de que somos uma nação sob Deus, e se quisermos sobreviver, temos que encontrar uma maneira de viver juntos e trabalhar juntos em nossas diferenças. E subir significa desbloquear os grilhões das mentiras e desconfiar da única coisa que pode realmente nos libertar: a verdade dura e fria. “

É inegável a coincidência vivida na atualidade brasileira as palavras de Michelle Obama cabendo a nós brasileiros vários trechos, garantimos que valerá cada segundo usados para leitura do longo discurso da ex-primeira dama, disponibilizado na íntegra, abaixo.

DISCURSO NA INTEGRA:

Boa noite a todos. É um momento difícil e todos estão sentindo isso de maneiras diferentes. E eu sei que muitas pessoas estão relutantes em entrar em sintonia com uma convenção política agora ou com a política em geral. Acredite em mim, eu entendo isso. Mas estou aqui esta noite porque amo este país de todo o coração e me dói ver tantas pessoas sofrendo.

Eu conheci muitos de vocês. Eu ouvi suas histórias. E através de você, eu vi a promessa deste país. E graças a tantos que vieram antes de mim, graças ao seu trabalho, suor e sangue, fui capaz de viver essa promessa por mim mesma.

Essa é a história da América. Todas aquelas pessoas que se sacrificaram e superaram tanto em seus próprios tempos porque queriam algo mais, algo melhor para seus filhos.

Há muita beleza nessa história. Também há muita dor nisso, muita luta, injustiça e trabalho a fazer. E quem escolheremos como nosso presidente nesta eleição determinará se honramos ou não essa luta e eliminamos essa injustiça e mantemos viva a própria possibilidade de terminar esse trabalho.

Eu sou uma das poucas pessoas que vivem hoje que viram em primeira mão o imenso peso e o incrível poder da presidência. E deixe-me dizer mais uma vez: o trabalho é difícil. Requer julgamento claro, domínio de questões complexas e concorrentes, devoção aos fatos e à história, bússola moral e capacidade de ouvir – e uma crença inabalável de que cada uma das 330 milhões de vidas neste país tem significado e valor.

As palavras de um presidente têm o poder de mover os mercados. Eles podem iniciar guerras ou negociar a paz. Eles podem convocar nossos melhores anjos ou despertar nossos piores instintos. Você simplesmente não pode fingir seu caminho neste trabalho.

Como eu disse antes, ser presidente não muda quem você é; revela quem você é. Bem, uma eleição presidencial também pode revelar quem somos. E quatro anos atrás, muitas pessoas optaram por acreditar que seus votos não importavam. Talvez eles estivessem fartos. Talvez eles pensassem que o resultado não seria próximo. Talvez as barreiras parecessem muito íngremes. Seja qual for o motivo, no final, essas escolhas enviaram alguém para o Salão Oval que perdeu o voto popular nacional por quase 3.000.000 de votos.

Em um dos estados que determinaram o resultado, a margem de vitória foi em média de apenas dois votos por distrito – dois votos. E todos nós temos vivido com as consequências. Quando meu marido deixou o cargo com Joe Biden ao seu lado, tivemos um período recorde de criação de empregos. Tínhamos garantido o direito à assistência médica para 20 milhões de pessoas. Éramos respeitados em todo o mundo, reunindo nossos aliados para enfrentar as mudanças climáticas. E nossos líderes trabalharam lado a lado com cientistas para ajudar a evitar que um surto de ebola se tornasse uma pandemia global.

Quatro anos depois, o estado desta nação é muito diferente. Mais de 150.000 pessoas morreram e nossa economia está em ruínas por causa de um vírus que este presidente minimizou por muito tempo. Isso deixou milhões de pessoas sem emprego. Muitos perderam seus cuidados de saúde; muitos estão lutando para cuidar de necessidades básicas como comida e aluguel; muitas comunidades foram deixadas em apuros para decidir se e como abrir nossas escolas com segurança. Internacionalmente, viramos as costas, não apenas aos acordos firmados por meu marido, mas às alianças patrocinadas por presidentes como Reagan e Eisenhower.

E aqui em casa, como George Floyd, Breonna Taylor e uma lista interminável de pessoas inocentes de cor continuam a ser assassinados, declarando o simples fato de que a vida negra ainda é alvo de escárnio do mais alto cargo da nação.

Porque sempre que olhamos para esta Casa Branca em busca de liderança ou consolo ou qualquer aparência de estabilidade, o que obtemos em vez disso é caos, divisão e uma total e absoluta falta de empatia. Empatia: isso é algo em que tenho pensado muito ultimamente. A capacidade de andar no lugar de outra pessoa; o reconhecimento de que a experiência de outra pessoa também tem valor. A maioria de nós pratica isso sem pensar duas vezes. Se vemos alguém sofrendo ou lutando, não podemos julgá-lo. Nós estendemos a mão porque, “Pronto, mas pela graça de Deus, vou.” Não é um conceito difícil de entender. É o que ensinamos aos nossos filhos.

E, como muitos de vocês, Barack e eu tentamos nosso melhor para incutir em nossas meninas uma base moral sólida para levar adiante os valores que nossos pais e avós depositaram em nós. Mas agora, as crianças neste país estão vendo o que acontece quando deixamos de exigir empatia uns dos outros. Eles estão olhando em volta se perguntando se estivemos mentindo para eles esse tempo todo sobre quem somos e o que realmente valorizamos.

Eles veem pessoas gritando em supermercados, sem vontade de usar uma máscara para nos manter seguros. Eles vêem gente chamando a polícia por causa de gente que cuida da sua vida só por causa da cor da pele. Eles veem um direito que diz que apenas certas pessoas pertencem a este lugar, que a ganância é boa e vencer é tudo porque, contanto que você saia por cima, não importa o que aconteça com todos os outros. E eles vêem o que acontece quando essa falta de empatia se transforma em desdém total.

Eles veem nossos líderes rotularem seus concidadãos como inimigos do estado enquanto encorajam os supremacistas brancos portadores de tochas. Eles assistem horrorizados enquanto crianças são arrancadas de suas famílias e jogadas em gaiolas, e spray de pimenta e balas de borracha são usados ​​em manifestantes pacíficos para uma foto. Infelizmente, esta é a América que está em exibição para a próxima geração. Uma nação com baixo desempenho não apenas em questões de política, mas em questões de caráter. E isso não é apenas decepcionante; é absolutamente enfurecedor, porque eu conheço a bondade e a graça que existem nas famílias e bairros em todo o país.

E eu sei que independentemente de nossa raça, idade, religião ou política, quando fechamos o ruído e o medo e realmente abrimos nossos corações, sabemos que o que está acontecendo neste país simplesmente não está certo. Este não é quem nós queremos ser. Então o que fazemos agora? Qual é a nossa estratégia?

Nos últimos quatro anos, muitas pessoas me perguntaram: “Quando os outros estão indo tão baixo, ir alto ainda funciona?” Minha resposta: subir é a única coisa que funciona, porque quando caímos baixo, quando usamos as mesmas táticas de degradar e desumanizar os outros, apenas nos tornamos parte do barulho feio que está abafando tudo o mais. Nós nos degradamos. Nós degradamos as próprias causas pelas quais lutamos.

Mas sejamos claros: subir ao alto não significa sorrir e dizer coisas boas quando confrontado com maldade e crueldade. Subir significa seguir o caminho mais difícil. Significa raspar e abrir caminho até o topo da montanha. Elevar-se significa permanecer feroz contra o ódio enquanto nos lembramos de que somos uma nação sob o domínio de Deus e, se quisermos sobreviver, temos que encontrar uma maneira de viver juntos e trabalhar juntos em nossas diferenças.

E subir significa desbloquear as algemas das mentiras e da desconfiança com a única coisa que pode realmente nos libertar: a verdade dura e fria.

Então, deixe-me ser o mais honesto e claro possível. Donald Trump é o presidente errado para nosso país. Ele teve tempo mais do que suficiente para provar que pode fazer o trabalho, mas está claramente perdido. Ele não pode encontrar este momento. Ele simplesmente não pode ser quem precisamos que ele seja para nós.

É o que é.

Agora, eu entendo que minha mensagem não será ouvida por algumas pessoas. Vivemos em uma nação profundamente dividida, e eu sou uma mulher negra que fala na Convenção Democrática. Mas muitos de vocês me conhecem agora. Você sabe que eu digo exatamente o que estou sentindo. Você sabe que eu odeio política. Mas você também sabe que me preocupo com esta nação. Você sabe o quanto me importo com todos os nossos filhos.

Portanto, se você entender uma coisa das minhas palavras esta noite, é esta: se você acha que as coisas não podem piorar, acredite, elas podem; e eles farão se não fizermos uma mudança nesta eleição. Se tivermos alguma esperança de acabar com esse caos, temos que votar em Joe Biden como se nossas vidas dependessem disso.

Eu conheço o Joe. Ele é um homem profundamente decente, guiado pela fé. Ele era um excelente vice-presidente. Ele sabe o que é preciso para resgatar uma economia, combater uma pandemia e liderar nosso país. E ele escuta. Ele dirá a verdade e confiará na ciência. Ele fará planos inteligentes e gerenciará uma boa equipe. E ele governará como alguém que viveu uma vida que todos nós podemos reconhecer.

Quando ele era criança, o pai de Joe perdeu o emprego. Quando ele era um jovem senador, Joe perdeu sua esposa e sua filha bebê. E quando ele era vice-presidente, ele perdeu seu filho amado. Assim, Joe conhece a angústia de se sentar à mesa com uma cadeira vazia, e é por isso que dedica seu tempo tão livremente aos pais enlutados. Joe sabe como é lutar, e é por isso que dá seu número de telefone pessoal para crianças que estão superando a gagueira.

Sua vida é um testamento para voltarmos, e ele vai canalizar essa mesma coragem e paixão para nos levantar, para nos ajudar a curar e nos guiar para frente. Agora, Joe não é perfeito. E ele seria o primeiro a te dizer isso. Mas não existe um candidato perfeito, nenhum presidente perfeito. E sua capacidade de aprender e crescer – encontramos nisso o tipo de humildade e maturidade que tantos de nós ansiamos agora. Porque Joe Biden serviu esta nação durante toda a sua vida sem nunca perder de vista quem ele é; mas, mais do que isso, ele nunca perdeu de vista quem somos, todos nós.

Joe Biden quer que todos os nossos filhos frequentem uma boa escola, consultem um médico quando estiverem doentes, vivam em um planeta saudável. E ele tem planos para fazer tudo isso acontecer. Joe Biden quer que todos os nossos filhos, não importa a aparência deles, possam sair pela porta sem se preocupar em ser assediados, presos ou mortos. Ele quer que todos os nossos filhos possam ir ao cinema ou a uma aula de matemática sem medo de levar um tiro. Ele quer que todos os nossos filhos cresçam com líderes que não apenas sirvam a si mesmos e a seus pares ricos, mas que forneçam uma rede de segurança para pessoas que enfrentam tempos difíceis.

E se quisermos uma chance de perseguir qualquer um desses objetivos, qualquer um dos requisitos mais básicos para uma sociedade funcional, temos que votar em Joe Biden em números que não podem ser ignorados. Porque agora, as pessoas que sabem que não podem ganhar de forma justa e justa nas urnas estão fazendo tudo o que podem para nos impedir de votar. Eles estão fechando locais de votação em bairros de minorias. Eles estão eliminando listas de eleitores. Eles estão enviando pessoas para intimidar os eleitores e estão mentindo sobre a segurança de nossas cédulas. Essas táticas não são novas.

Mas este não é o momento de reter nossos votos em protesto ou jogar com candidatos que não têm chance de vencer. Temos que votar como em 2008 e 2012. Temos que mostrar o mesmo nível de paixão e esperança por Joe Biden. Temos que votar cedo, pessoalmente, se pudermos. Precisamos solicitar nossas cédulas por correio agora, esta noite, e enviá-las de volta imediatamente e fazer o acompanhamento para garantir que sejam recebidas. E então, certifique-se de que nossos amigos e familiares façam o mesmo.

Temos que pegar nossos sapatos confortáveis, colocar nossas máscaras, embalar um saco de jantar marrom e talvez o café da manhã também, porque temos que estar dispostos a ficar na fila a noite toda se for preciso.

Olha, nós já sacrificamos muito este ano. Muitos de vocês já estão indo mais além. Mesmo quando está exausto, você está reunindo uma coragem inimaginável para colocar aquela roupa e dar aos nossos entes queridos uma chance de lutar. Mesmo quando você está ansioso, você está entregando esses pacotes, estocando essas prateleiras e fazendo todo o trabalho essencial para que todos nós possamos seguir em frente.

Mesmo quando tudo parece tão opressor, os pais que trabalham estão de alguma forma juntando as peças sem cuidar dos filhos. Os professores estão ficando criativos para que nossos filhos possam aprender e crescer. Nossos jovens estão lutando desesperadamente para perseguir seus sonhos.

E quando os horrores do racismo sistêmico abalaram nosso país e nossas consciências, milhões de americanos de todas as idades, todas as origens se levantaram para marchar uns pelos outros, clamando por justiça e progresso.

Isso é quem ainda somos: pessoas compassivas, resilientes e decentes, cujas fortunas estão ligadas umas às outras. E já passou da hora de nossos líderes refletirem mais uma vez nossa verdade.

Portanto, cabe a nós adicionar nossas vozes e nossos votos ao curso da história, ecoando heróis como John Lewis que disse: “Quando você vê algo que não está certo, você deve dizer algo. Você deve fazer alguma coisa. ” Essa é a forma mais verdadeira de empatia: não apenas sentir, mas fazer; não apenas para nós ou nossos filhos, mas para todos, para todos os nossos filhos.

E se quisermos manter viva a possibilidade de progresso em nosso tempo, se quisermos poder olhar nos olhos de nossos filhos depois desta eleição, temos que reafirmar nosso lugar na história americana.

E temos que fazer todo o possível para eleger meu amigo, Joe Biden, como o próximo presidente dos Estados Unidos. Obrigado a todos. Deus abençoe.

(site oficial: Democratic Coalition)

Compartilhe

Carol Lee Dutrahttp://www.todosnegrosdomundo.com.br
Graduada em Gestão e Design de Moda pela Universidade Euro-Americana de Brasília atuo como Colunista de Moda na plataforma TNM e atual presidente da ONG IMNEGRA de auxílio e capacitação de mulheres em situação de vulnerabilidade.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES