fbpx
19.5 C
São Paulo
sexta-feira, 03 dezembro 2021
HomeMúsicaLauryn Hill explica o motivo do seu álbum épico ter sido o...

Lauryn Hill explica o motivo do seu álbum épico ter sido o primeiro e o último

Lauryn Hill quebrou o silêncio sobre o motivo de seu álbum, o “The Miseducation of Lauryn Hill”, que ganhou um grammy, não ter recebido um lançamento de estúdio subsequente.

Mariah Carey anuncia novo álbum e parceria com Lauryn Hill

Em uma entrevista para o podcast “Rolling Stone’s 500 Greatest Albums”, Lauryn Hill finalmente respondeu às perguntas que não tinham sido respondidas de seus fãs e colocou fim aos rumores.

“Eu desafiei a norma e introduzi um novo padrão. Acredito que o The Miseducation fez isso e eu ainda faço isso. Nós (eu e meu álbum) desafiamos as convenções quando a convenção é questionável.”, contou Lauryn.

Mas a cantora e compositora de 45 anos afirma que nunca apresentaram outra oportunidade de gravar um segundo álbum de estúdio. “O mais incrível é que ninguém da minha gravadora jamais me ligou e perguntou: ‘Como podemos ajudá-lo a fazer outro álbum?’”, contou Lauryn.

Ela compartilhou que muitas vezes se sentiu usada por seu trabalho como artista, deixando-a se sentindo negligenciada como uma pessoa fora do estúdio.

“As pessoas me incluíram em suas próprias narrativas de seus sucessos no que se referia ao meu álbum e, se isso contradisse minha experiência, eu era considerada uma inimiga. Depois de The Miseducation, havia dezenas de políticos, agendas de repressão, expectativas irrealistas e sabotadores por toda parte.”, continuou.

“Permaneci paciente e quieta por muito tempo, permitindo que as pessoas falassem, especulassem e projetassem. As pessoas às vezes podem confundir bondade com fraqueza e silêncio com fraqueza também. Quando isso acontecer, eu tenho que falar. O mito de que não tenho permissão para tocar as versões originais das minhas músicas é um mito (qualquer pessoa que tenha visto meu show atual sabe disso). Remixo minhas músicas ao vivo porque não lanço um álbum há vários anos. Não há nenhuma maneira de continuar a tocar as mesmas músicas indefinidamente enquanto as estiver tocando sem alguma variação e exploração. Eu não sou um robô.”, finalizou.

Ouça o podcast completo (em inglês) clicando aqui.

Compartilhe

Vinícius Gonçalves
Geminiano, viciado em tecnologia, filmes de terror e cinema.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES