fbpx
19.5 C
São Paulo
sexta-feira, 03 dezembro 2021
HomeNotíciaJornalista negra da Baixada Santista cria projeto para repensar a ocupação de...

Jornalista negra da Baixada Santista cria projeto para repensar a ocupação de comunicadores negros na região

O que significa pertencer sendo uma pessoa negra em um ambiente dominado por brancos?

Amor de Mãe x Fina Estampa: Como a figura do negro mudou nas novelas

A maioria das pessoas negras já estiveram na posição de ser a única pessoa negra dentro de determinados locais, seja no ambiente de trabalho, na faculdade, no restaurante chique e por aí vai. Foi esse incomodo e a sensação de não pertencimento que levaram a jornalista Isabela dos Santos, de 22 anos, a criar o projeto Pretos em Pauta, que discute a questão dos jornalistas pretos na Baixada Santista e comprova o que todos já sabiam, os negros ainda são a minoria.

Isabela estagiou na redação do maior jornal impresso da Baixada Santista e nessa época estava produzindo o seu trabalho de conclusão de curso sobre a pluralidade da raça negra. Ao perceber que a redação era composta por uma equipe majoritariamente branca e se envolver cada vez mais com a complexidade das questões raciais, ela começou a pensar no que seria o rascunho do projeto Pretos em Pauta. “Começou daí e esse ano nós tivemos a morte do George Floyd e a TV pautando essas questões raciais, o painel com seis jornalistas negros da Globo News e me deu mais vontade de trazer o tema à tona.” Ressalta a jornalista.

O projeto consiste em uma série de entrevistas por meio de lives feitas no perfil do Instagram da jornalista. Os convidados são diversos, como jornalistas formados que contam a sua experiências dentro do mercado de trabalho da Baixada Santista, estudantes da área que relatam a sensação de estudar em um ambiente cercados de brancos, da falta de professores negros nos cursos do eixo de comunicação, a invisibilidade da Imprensa Negra nas grades curriculares e também jornalistas brancos que falam abertamente da discrepância que ocorre nas redações. As lives ocorrem em dias e horários variados e vão ser realizadas até o dia 25 deste mês, mas todas estão salvas no IGTV, para acessar o conteúdo basta entrar no perfil @isa.jornalista.

A iniciativa vem sendo uma forma de provocar discussões e buscar um reposicionamento da grande mídia sobre as questões raciais. “Desenvolver o projeto está sendo uma experiência maravilhosa, um aprendizado e está sendo um estímulo para a jornalista que eu quero ser. Acho que eu estou me vendo mais enquanto jornalista. Por exemplo, trazer questionamentos à tona. É um tema que incomoda e eu estou falando da minha profissão e a nossa profissão não gosta de receber crítica”, destaca Isabela.

Além de causar um questionamento, para Isabela, o aprendizado também está em ouvir o outro e ter a oportunidade de conversar e interagir com jornalistas negros da região para criar uma conexão mais intensa. “Todas as pessoas negras, sejam elas consciente ou não da questão racial, elas carregam experiências, falas e conhecimentos que quando transmitidos eles te tocam de alguma maneira”, afirma a jornalista.

Quando questionada sobre qual a sua expectativa para o futuro das discussões raciais, Isa, como gosta de ser chamada, afirma que já está na hora de ações, que o futuro precisa se pensar mais negro com todas as diversidades da raça. “Nós somos 56% da população e já passou da hora da gente falar sobre e apontar. Eu quero muito mais que representatividade, quero contratação e medidas efetivas. Espero que a imprensa local se repense. O jornalismo precisa se pensar, o jornalismo está branco demais. Espero que um dia eu entre em uma redação e consiga me ver, não só pessoas com o meu tom de pele, mas também pessoas negras com tons mais escuro, com cabelo crespo, por nós negros também somos diversas. Eu quero pessoas negras nos espaços, incluindo nas redações.”

Compartilhe

Maria Angélicahttp://www.todosnegrosdomundo.com.br
Tenho 22 anos, sou nascida e criada no litoral, caiçara com muito orgulho. Além disso, também sou formada em Comunicação Social - Jornalismo. Sempre me encantei com o poder das palavras e por isso sinto que o jornalismo me escolheu, durante a minha breve trajetória profissional tive a oportunidade de contar histórias lindas e é o que pretendo continuar fazendo.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES