fbpx
19.5 C
São Paulo
sábado, 27 novembro 2021
HomeAgendaInstituto Odara abre as portas em Embu das Artes com programação de...

Instituto Odara abre as portas em Embu das Artes com programação de cursos e oficinas com base em atividades de matriz africanas

Cultura, arte, educação, transformação, meio ambiente, saúde, turismo, inclusão, diversidade, memória e ancestralidade. Esses são os valores que norteiam as ações do Instituto Odara, centro de articulação que promove a transformação por meio de práticas em que a ancestralidade de matriz africana se faz presente em toda a sua estrutura e atuação. O espaço, que inicia atividades em 27/11, possui cerca de 8 mil m² e está localizado em Embu das Artes.

O instituto promoverá atividades gratuitas e abertas, além de cursos, oficinas segmentadas como formação e apresentação de espetáculos de teatro e dança contemporânea, cultura dos Orixás (gastronomia, história, dança e vestimentas, entre outros), capoeira, percussão, xamanismo e fitoterapia, sempre tendo um recorte para informações afro-educativas.

Para o conselho consultivo o instituto contará com Márcio Telles, conhecido produtor cultural e diretor de teatro que atua na realização de projetos de arte e cultura em todo Estado de São Paulo sempre com olhar especial para inclusão e diversidade, e Diego Dionísio, que é fundador da TáDito Produção, empresa que existe há 20 anos e promove festivais e eventos, além de artistas, produtores e ativistas do movimento artístico da Grande São Paulo. Dionísio ressalta: “Formar, fomentar, difundir e gerar economia criativa em sua transversalidade nas áreas da cultura, educação, arte, meio ambiente e economia criativa é o que queremos potencializar por meio do instituto”. Por sua vez, Márcio acrescenta: “Eu e Diego temos mais de 20 anos de atuação nessas áreas, sempre com o mesmo propósito. Faltava formalizar isso dentro de um espaço onde, independentemente das nossas pautas profissionais, pudéssemos exercer, de forma social, a arte como instrumento de redescoberta do potencial humano”.

Para os primeiros meses de atuação o Instituto Odara já tem uma agenda que inclui vivências em todas as linguagens contempladas em seu escopo de trabalho. As atividades ocorrerão entre 10h e 18h a partir de 8 de janeiro de 2022 e, além das aulas interativas, os inscritos têm direito a almoço, café da tarde e um tour pelo centro histórico de Embu das Artes.

A abertura para o público, no dia 27, contará com atrações artísticas, exposição de artesanato, performances com a Cia Odara e desfile de moda afro.

PARTE DE UM PENSAMENTO AFRO-CENTRADO

“Após 20 anos de atuação com a companhia Odara, tendo formado e recebido mais de 100 pessoas e ministrado oficinas em locais como Instituto Florescer, que atende mulheres trans em situação de vulnerabilidade, ter criado campanhas de alimentação e máscaras em 2020 e 2021, entendi que a nossa atuação não estava somente nos palcos, mas tínhamos uma atuação social transversal, ancestral e transformadora por meio da arte e da produção de conhecimento”, afirma Márcio.

O espetáculo “Odara”, por exemplo, foi concebido em maio de 1997 como projeto cultural para atender, de forma sócio e arte educativa, comunidades periféricas da cidade de São Paulo e municípios limítrofes. A proposta pedagógica era implementar atividades culturais focadas no resgate e na preservação da cultura afrodescendente, usando, inicialmente, as ferramentas da dança, do teatro e da música.

No Acervo da Memória e do Viver Afro-brasileiro (atual Centro de Culturas Negras) e com o apoio fundamental de Mãe Silvia de Oxalá (em memoria), Márcio reuniu artistas e gestores de vários coletivos, como Afro II, Dandara, Okun, Quilombo Capoeira e Adarrum, e realizou o primeiro espetáculo, “Raízes de Ketu”, que estreou no Teatro Taib, localizado no bairro do Bom Retiro e que, atualmente, chama-se Casa do Povo.

A partir daí a Cia Odara, antes conhecida como Omo-Ayê, aflorou como um grupo de resistência e perdurou por longos anos, desenvolvendo amplo trabalho social que contribuiu direta e efetivamente para a execução de políticas públicas de promoção que viabilizaram oportunidades de inserção, criação de oportunidades de trabalho e geração de renda para jovens em situação de grande vulnerabilidade social por meio de um ateliê de confecções e cursos profissionalizantes de moda étnica (roupas e bordados afros).

Dentro desse espectro, o ‘Instituto Odara’ amplia a discussão da arte como exercício diário de resistência e produção intelectual, promovendo a formação continuada para que profissionais da arte possam atuar com autonomia em suas respectivas atividades.  

INSTITUTO ODARA:

Inauguração: 27 de novembro

das 15h às 19h

Entrada gratuita

Endereço: Rua Aracy Santana Vaz, 10 – Jardim Novo Embu

Embu das Artes -SP

Para manter-se atualizado siga o perfil @instituto_odara

e práticas artísticas para fomentar o empreendedorismo cultural e as ações arte-educativas de matriz africana

Compartilhe

- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES