Não Me Representa

Escravização do negro não é fantasia!

Nos últimos dias, viralizou na internet a imagem de uma criança fantasiada de escrava, postada no Instagram de sua mãe, Sabrina Nóbrega, com legendas que diziam estar abrasileirando o Halloween.

O menino branco usava tinta marrom em sua pele, chinelos e correntes pelo corpo que subiam até seu pescoço. Além disso, a simulação de um ferimento enfeitava seu peito e vergões as suas costas.

Em seu Instagram, agora fechado, a mãe ainda citou o quanto seu filho absorveu o personagem. A mulher só não entendeu que negro escravizado não é personagem e escravização do negro não é fantasia.

Foram mais de 300 anos de escravização da população negra em diáspora contra 130 anos de abolição da escravatura. 130 anos que parecem não ter explicado a gravidade de um sistema que agride alguém por causa de sua cor.

O Brasil foi o último país das Américas a abolir a escravatura e, por isso, carrega de reflexos a maior parte de sua população. Isso porque na Pátria Amada, o racismo é velado.

Está presente no emprego não conquistado, no presídio cheio de pretos e pretas, na universidade majoritariamente branca e na mãe que acha graça em fantasiar seu filho de negro escravizado. Essa fantasia numa criança, pensada pela própria mãe, nada mais é do que como reverbera uma sociedade veladamente racista.

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By Amanda Sthephanie
Load More In Não Me Representa

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Se o racismo acontece na frente das câmeras, imagine longe delas

Por mais que os debates sobre racismo no ...

Facebook

Newsletter