19.5 C
São Paulo
sexta-feira, 29 maio 2020
Home Celebridades Elza Soares, Djamila Ribeiro, Tia Má: artistas repudiam ataques racistas contra Maju...

Elza Soares, Djamila Ribeiro, Tia Má: artistas repudiam ataques racistas contra Maju e Thelma

Vários artistas negros repudiaram as ofensas sofridas por Maju e Thelma; TNM selecionou algumas manifestações

Maju Coutinho e Thelma Assis foram vítimas de ataques racistas. (Foto: Montagem/Reprodução)

As ofensas racistas das quais Maju Coutinho e Thelma Assis foram vítimas na última segunda (30), culminaram em uma rede de apoio de vários artistas negros às vítimas. Para quem não sabe, nesta semana o ex-diretor da Band, Rodrigo Branco, participou de uma live da DJ Ju de Paulla e disparou uma série de ofensas contra Thelma e Maju.

Leia mais:

Ex-diretor da Band faz comentários racistas sobre Thelma e Maju Coutinho

Elza Soares: Ataques racistas de ex-diretor da Band são tão nocivos quanto coronavírus

Margareth Menezes: “Parem de questionar a capacidade intelectual do povo preto”

Falas de Rodrigo Branco são a “síntese da mediocridade branca”, afirma Djamila Ribeiro

Após os ataques virem a público e repercutirem na imprensa, vários artistas negros saíram em defesa de Maju e Thelma. O TNM separou alguns trechos, confira.

Ora ora, Branco, desde quando mulheres negras rompem com algumas barreiras por serem negras? Isso é coisa de branco, Branco. Os herdeiros das capitanias hereditárias, aqueles cuja fortuna, construída com sangue negro, passam de geração a geração, aqueles que, mesmo medíocres, estão ocupando os espaços de poder e privilégio.

Djamila Ribeiro, escritora e filósofa
View this post on Instagram

Com tantas questões sérias pelas quais o país atravessa, tenho evitado comentar sobre algumas coisas. Porém, os comentários do empresário Rodrigo Branco ofendendo Thelma Assis e Maju Coutinho são a síntese da mediocridade branca. Não vou reproduzir o vídeo, os comentários são ofensivos, mas vamos analisar a fala criminosa. Branco se refere à Thelma como "negra coitada", expressão comumente usada por racistas para, do alto dos seus privilégios, darem a entender que mulheres negras se fazem de vítimas para conseguir o que querem. E Branco completa: "quando ganhou a prova humilhou todo mundo". Para Branco, quando uma mulher negra tem orgulho dos seus êxitos, ela é arrogante, nada humilde, pois para pessoas como ele precisamos estar sempre submissas, pedindo licença pra existir. Parafraseando Maya Angelou, pergunto: por que nossa altivez te ofende? Sem problemas em seguir passando vergonha, Branco diz que Maju Coutinho é ruim e só está onde está porque é negra. Ora ora, Branco, desde quando mulheres negras rompem com algumas barreiras por serem negras? Isso é coisa de branco, Branco. Os herdeiros das capitanias hereditárias, aqueles cuja fortuna, construída com sangue negro, passam de geração a geração, aqueles que, mesmo medíocres, estão ocupando os espaços de poder e privilégio. Só contratam a si mesmos, citam a si mesmos, são solidários entre os seus, tudo para manter o pacto narcísico da branquitude, como bem definido por Cida Bento. As poucas mulheres negras que rompem algumas barreiras, essas sim têm mérito. Pois mesmo com o racismo estruturando todas as relações sociais, nos negando oportunidade e possibilidades de existência, ainda têm que ouvir de privilegiados como você, que nunca precisou lutar na vida posto que parte do grupo dominante, falas criminosas. Nossa luta é para que mulheres como elas não sejam exceção. Em uma sociedade racista, capitalista e sexista, nunca nos deram nada. Tivemos que pegar à força o que era nosso por direito, por conta de pessoas como você que querem seguir deitadas eternamente em berço esplêndido. Parafraseando Maya Angelou, problema seu se nossa altivez te ofende.

A post shared by Djamila Ribeiro (@djamilaribeiro1) on

Parem de perseguir e questionar a capacidade intelectual do povo negro.

Margareth Menezes, cantora

Se não bastasse tudo que o mundo, que nosso país está enfrentado com essa pandemia cruel, temos ainda que combater a crueldade dessa doença chamada racismo. Desse câncer chamado machismo.

Elza Soares, cantora
View this post on Instagram

Gentem, deixa eu falar uma coisa. Ontem, navegando pela internet pra acompanhar as notícias, me deparei com a fala de um ser que me deu calafrios e fez do meu café da manhã uma refeição amarga. Se não bastasse tudo que o mundo, que nosso país está enfrentado com essa pandemia cruel, temos ainda que combater a crueldade dessa doença chamada racismo. Desse câncer chamado machismo. Eu não vou citar o nome desse ser aqui na minha rede. Dona Rosália, minha mãe, mulher preta com muito orgulho, já dizia em seus sábios conselhos; “Elza, não dê palanque”. Tem um tipo de gente que mergulha no esgoto pra chamar atenção. Depois de pensar muito nessa situação horrível, eu resolvi falar de quem merece todos os aplausos. Você conhece a @majucoutinhoreal ? Eu conheço. Somos amigas! Maju é uma das maiores jornalistas e comunicadoras que esse Brasil, que o mundo já viu. Sim! Ela é mulher e negra e seu gênero ou cor da sua pele, não ajudaram ou a impediram se ser FODA! Maju venceu por seu talento, como tantas de nós vence diariamente, como vence a diretora de uma multinacional, como vence a dona de casa, mãe de família, que no fim do dia descansa com a sensação de dever cumprido e ao acordar tem que recomeçar tudo, porque pra ela nada vem de graça. @thelminha_assis não venceu por ser coitada. Eu não tive o prazer de conhecê-la ainda, mas com tudo o que vi e li sobre ela da pra afirmar que venceu porque é FODA, assim como Maju. Thelma é médica, bailarina e continua na batalha por seu maior prêmio. O reconhecimento do esforço que é igual a tantas de nós. Sujeito, escute!… horrível é falar pelos cotovelos e se achar melhor que outra pessoa, seja qual for sua cor ou gênero. Pra mim você faz tão mal a humanidade quanto esse vírus que estamos enfrentando. Guarde suas desculpas de internet pra si mesmo. Vai precisar delas quando se olhar no espelho. O mal que causou não tem volta. Não podemos mais tolerar esse discurso e acharmos que “fica tudo acertado” com um pedido de desculpas. Ahh… pra você que alimenta amizade com um sujeito desses, que utilizar os serviços do guia turístico que se autointitula “Prefeito de Orlando”, saiba… diga-me com quem andas e te direi quem és!

A post shared by Elza Soares (@elzasoaresoficial) on

O próprio perfil de Thelma Assis se manifestou no Twitter:

Negros quando se posicionam viram monstros e arrogantes,quando conquistam é por pena ou pela cor.

Thelma Assis, médica

Além disso, diversas potências negras postaram um mesmo texto em suas redes sociais repudiando os ataques, confira:

Rodrigo França, diretor de teatro

View this post on Instagram

“Não basta não ser racista, é preciso ser antirracista!”⁣ ⁣ A frase Angela Davis é fundamental para entender quem são os aliados no debate racial. O antropólogo Kabenguele Munanga classificou o racismo como "o crime perfeito”. Quem discrimina sai ileso e os negros continuam precisando se pronunciar a cada novo episódio. Estamos todos com medo do coronavírus, mas o racismo cotidiano não entra em quarentena. ⁣ ⁣ É comum que pessoas negras sejam cobradas a responder pelo racismo que sofrem. Enquanto isso, o silêncio dos supostos aliados também nos assassina. Ser antirracista é chamar a responsabilidade pra si e convocar seus pares para enfrentarem juntos o projeto de extermínio que se alastra há mais de 500 anos.⁣ ⁣ A questão racial estrutura as desigualdades socioeconômicas do Brasil. Silenciar diante do racismo é legitimar que o sistema permaneça intacto. Cida Bento chama isso de “Pacto Narcísico da Branquitude”. As evidências aparecem diariamente: guia de turismo, cineastas, BBB, o extermínio acelerado da juventude negra. Se você silencia diante dessas violências, certamente não é aliado na luta antirracista. ⁣ ⁣ A história cobrará a todos, mas sobretudo aos que se calaram enquanto morremos e somos cruelmente violentados. Não vamos retroceder, e muito menos, silenciar. Gritaremos. Reagiremos. ⁣ ⁣ "Se você enfia uma faca de 22 centímetros em minhas costas e puxar quinze centímetros para fora, não haverá progresso. O progresso vem quando se cura a ferida que o golpe fez. Eles nem começaram a puxar a faca. Eles não admitem que a faca está lá.” – Malcolm X #potênciasnegras #naobastanaoserracista #temqueserantirracista #racismoécrime #crimepunicaoja #racismoécrime #crimepunicaoja #potenciasnegras #brancosreflitam #combateaoracismo #racismo #reflexao

A post shared by Rodrigo França ✊🏿 (@rodrigofranca) on

Tia Má, jornalista e humorista

View this post on Instagram

“Não basta não ser racista, é preciso ser antirracista!”⁣ ⁣ A frase Angela Davis é fundamental para entender quem são os aliados no debate racial. O antropólogo Kabenguele Munanga classificou o racismo como "o crime perfeito”. Quem discrimina sai ileso e os negros continuam precisando se pronunciar a cada novo episódio. Estamos todos com medo do coronavírus, mas o racismo cotidiano não entra em quarentena. ⁣ ⁣ É comum que pessoas negras sejam cobradas a responder pelo racismo que sofrem. Enquanto isso, o silêncio dos supostos aliados também nos assassina. Ser antirracista é chamar a responsabilidade pra si e convocar seus pares para enfrentarem juntos o projeto de extermínio que se alastra há mais de 500 anos.⁣ ⁣ A questão racial estrutura as desigualdades socioeconômicas do Brasil. Silenciar diante do racismo é legitimar que o sistema permaneça intacto. Cida Bento chama isso de “Pacto Narcísico da Branquitude”. As evidências aparecem diariamente: guia de turismo, cineastas, BBB, o extermínio acelerado da juventude negra. Se você silencia diante dessas violências, certamente não é aliado na luta antirracista. ⁣ ⁣ A história cobrará a todos, mas sobretudo aos que se calaram enquanto morremos e somos cruelmente violentados. Não vamos retroceder, e muito menos, silenciar. Gritaremos. Reagiremos. ⁣ ⁣ "Se você enfia uma faca de 22 centímetros em minhas costas e puxar quinze centímetros para fora, não haverá progresso. O progresso vem quando se cura a ferida que o golpe fez. Eles nem começaram a puxar a faca. Eles não admitem que a faca está lá.” – Malcolm X #potênciasnegras #naobastanaoserracista #temqueserantiracista #racismoécrime #crimepunicaoja #negritude #povonegro #branquitude

A post shared by Maíra Azevedo (@tiamaoficial) on

Késia Estácio, cantora e atriz

View this post on Instagram

“Não basta não ser racista, é preciso ser antirracista!”⁣ ⁣ A frase Angela Davis é fundamental para entender quem são os aliados no debate racial. O antropólogo Kabenguele Munanga classificou o racismo como "o crime perfeito”. Quem discrimina sai ileso e os negros continuam precisando se pronunciar a cada novo episódio. Estamos todos com medo do coronavírus, mas o racismo cotidiano não entra em quarentena. ⁣ ⁣ É comum que pessoas negras sejam cobradas a responder pelo racismo que sofrem. Enquanto isso, o silêncio dos supostos aliados também nos assassina. Ser antirracista é chamar a responsabilidade pra si e convocar seus pares para enfrentarem juntos o projeto de extermínio que se alastra há mais de 500 anos.⁣ ⁣ A questão racial estrutura as desigualdades socioeconômicas do Brasil. Silenciar diante do racismo é legitimar que o sistema permaneça intacto. Cida Bento chama isso de “Pacto Narcísico da Branquitude”. As evidências aparecem diariamente: guia de turismo, cineastas, BBB, o extermínio acelerado da juventude negra. Se você silencia diante dessas violências, certamente não é aliado na luta antirracista. ⁣ ⁣ A história cobrará a todos, mas sobretudo aos que se calaram enquanto morremos e somos cruelmente violentados. Não vamos retroceder, e muito menos, silenciar. Gritaremos. Reagiremos. ⁣ ⁣ "Se você enfia uma faca de 22 centímetros em minhas costas e puxar quinze centímetros para fora, não haverá progresso. O progresso vem quando se cura a ferida que o golpe fez. Eles nem começaram a puxar a faca. Eles não admitem que a faca está lá.” – Malcolm X #potênciasnegras #naobastanaoserracista #temqueserantiracista #racismoécrime #crimepunicaoja

A post shared by Késia Estácio (@kesiaestacio) on

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

MAIS LIDAS

Jimmy Fallon se desculpa por usar “blackface” para personificar Chris Rock

Jimmy Fallon publicou um pedido de desculpas por fazer “blackface” para personificar Chris Rock no programa Saturday Night Live no ano 2000.

Érico Brás fala sobre quando foi confundido com ladrão na Bahia

O ator e apresentador Érico Brás contou sobre como foi quando policiais o confundiram com um ladrão, na Bahia. Durante uma live com Fábio...

Thelma fala sobre ataques racistas em entrevista

Thelma participou hoje (28) pela manhã do programa Encontro com Fátima Bernardes. Durante a conversa com a apresentadora, ela falou sobre os...

A Moda 3D – “embora muitas marcas possam seguir o meu exemplo, é importante observar que uma mulher negra fez isso primeiro” – Anifa...

Com grandes lojas fechando suas portas devido à crise na indústria da moda ocasionada pelas diversas limitações da pandemia COVID-19 e o...

COMENTÁRIOS RECENTES