fbpx
19.5 C
São Paulo
sábado, 02 julho 2022
HomeAgendaDia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa no vão do MASP

Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa no vão do MASP

intolerancia21

No próximo dia 21 é celebrado o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Em São Paulo, vestidos de branco, entre 15 e 18 horas, umbandistas, candomblecistas e todos aqueles que indignam-se com atos de preconceito e ódio contra qualquer religião se encontram no vão livre do MASP, localizado na Avenida Paulista.
A data que homenageia Mãe Gilda de Ogum, a fundadora do Ilê Axé Abassá de Ogum, terreiro em Salvador (BA), é também uma maneira de reconstituir a honra de quem se entregou ao asé.

Mãe Gilda – conhecida como Iyalorixá Gildásia dos Santos e Santos – sofreu intolerância de forma covarde quando ilustrou, com roupas de sacerdotisa, uma matéria que colocava pais e mães de santo como charlatões. A partir disso, sua casa foi invadida, seu marido agredido, seu terreiro depredado e sua vida interrompida por um infarto cerca de um ano após a publicação.

Anos depois, em 2007, foi sancionada a Lei nº11.635, que transformou 21 de janeiro em dia de conscientização, reunindo diferentes religiões de matriz africana, na busca por respeito à diversidade. Na data, pontos estratégicos de todo o Brasil são tomados pelo som dos atabaques que reivindicam um Estado laico, sob a força de seus ancestrais.

Apesar da conquista, o desrespeito ainda divide espaço com o povo que cultua os orixás. Alguns adeptos das religiões afirmam o problema ser o preconceito a uma cultura de quem veste branco na roupa e preto na pele. As religiões de matriz africana foram trazidas ao Brasil no período de diáspora que trouxe mais de dois milhões de africanos para a terra do pau-brasil. Sendo assim, o que a lei chama de intolerância seria na verdade racismo, já que o Candomblé, as bases da Umbanda e tantas outras crenças e costumes vieram com os povos da África e se tornaram herança ao povo brasileiro.

Ainda assim, que em todo o Brasil seja reivindicado o direito de crer no que se quer: que as vestes brancas tomem conta das ruas no dia 21, em sinal de paz, respeito, sensibilidade e, sobretudo, de muita resistência.

Axé pra quem é de axé!

Mais informações sobre o evento aqui.

Compartilhe

Amanda Sthephanie
Amanda Sthephaniehttps://todosnegrosdomundo.com.br
Preta. Pobre. Poeta. Periférica. Prounista. Filha de Oxum, tem paixão pela palavra e estuda o último ano de Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES