fbpx
19.5 C
São Paulo
quarta-feira, 08 dezembro 2021
HomeAgendaOcupação Benjamin de Oliveira fecha os eventos do Itaú Cultural de 2021

Ocupação Benjamin de Oliveira fecha os eventos do Itaú Cultural de 2021

Itaú Cultural traz cerca de 120 peças que contam a história de Benjamin de Oliveira.

Não dá pra falar de arte no Brasil sem falar de Benjamin de Oliveira. O mesmo vale para qualquer discussão sobre circo e também empreendedorismo. Por ora, isso acontece porque sua história, valorizada por parte do movimento negro, foi esquecida (ou silenciada?) por grande parte da sociedade.

Numa tentativa de trazer mais visibilidade à sua múltipla carreira enquanto músico, cantor, dançarino, autor, compositor e diretor de uma companhia circense, o Itaú Cultural faz sua última ocupação de 2021 em homenagem ao artista e empreendedor que nos agraciou com suas obras entre 1870 e 1954.

A exibição promete, inclusive, que as obras, que totalizam aproximadamente 120 peças, são pensadas para públicos diversos, que incluem as crianças – coisa rara por aqui.

Conheça “BENJAMIN – O PALHAÇO NEGRO”

Benjamin de Oliveira

Nascido em Pará de Minas (MG), filho de uma mulher escravizada com o capataz da fazenda, ele tinha 12 anos quando, encantado pelo circo que havia visitado a cidade, fugiu com a trupe. Fez um pouco de tudo até se tornar palhaço, sete anos mais tarde. Por fim, um dos homens mais importantes para o desenvolvimento e a modernização do circo brasileiro. Ao acompanhar essa trajetória, a mostra resulta, ainda, em uma representação deste universo no Brasil, do final do século XIX ao começo do XX.

Entre cerca de 120 peças, a Ocupação Benjamim de Oliveira leva os adultos à infância e as crianças à diversão, entre jornais da época, muitas fotografias, audiovisuais, objetos circenses originais, livros, documentos e fonogramas de músicas interpretadas por ele e por seus companheiros de composição, como Mário Pinheiro, Eduardo das Neves, Catulo da Paixão Cearense, Chiquinha Gonzaga e Paulina Sacramento.

A curadoria é dos Núcleos de Artes Cênicas e do Observatório do Itaú Cultural. Erminia Silva, professora doutora em história, pelo núcleo circus da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), além de autora de obras como Circo-teatro: Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil, assina a cocuradoria. Editado pela Altana, em 2007, o livro ganhou versão revisada e será lançado em fevereiro de 2022 pelo Itaú Cultural e a editora Martins Fontes.

Neste colorido e alegre espaço, toda a iconografia e documentação colhida nos arquivos da família, pesquisadores e instituições dedicadas ao tema, se desenrola em torno de uma arena. As paredes do picadeiro reconstituem este universo, quando o século XIX transitava para o XX, desempenhando um papel que ia além da diversão, risadas, suspense e entretenimento. O período de atuação de Benjamim de Oliveira, ao lado das pessoas com quem conviveu e trabalhou, como João Alves, proprietário do Grande Circo Theatro Guarany, foi um tempo efervescente e de suprema importância para a popularização das artes cênicas, da música e do cinema no ambiente circense.

150 anos de Benjamim de Oliveira por Roberto Salim - Ultrajano
Itaú Cultural traz cerca de 120 peças que contam a história de Benjamin de Oliveira. (Foto: Reprodução)

Assim, a mostra acompanha a trajetória de Benjamim que, além de se tornar palhaço, fortaleceu a introdução da linguagem teatral no circo estreando, em 1904, um texto dele próprio, O Diabo e o Chico. O sucesso foi tamanho que a partir dali a programação circense passou a contemplar as montagens teatrais com muito sucesso de público e crítica.  Credita-se a ele muito do protagonismo no processo de ampliação do circo-teatro.

Alice Viveiros de Castro, pesquisadora e autora do livro O elogio da bobagem – palhaços no Brasil e no mundo, conta que Benjamim vendia doces e cocadas, quando ficou fascinado pelo circo e fugiu com um deles. 

“Tinha 12 anos e não sabia fazer nada. Mas no circo sempre tem trabalho e pouco a pouco foi aprendendo a saltar, andar na corda, balançar no trapézio e nas argolas. Era o Circo Sotero e lá foi começando a ser artista.  Fugiu do circo. O dono tinha ciúmes daquele rapaz bonito que a cada dia ficava mais esperto. Fugiu de um grupo de ciganos que queria trocá-lo por um cavalo. E como não conseguiu fugir de um grupo que queria prendê-lo como um escravo fugido, deu jeito usando sua arte. Fez todas as acrobacias que sabia e conseguiu provar que era um artista!”
De acordo com ela, Benjamim saiu rodando por Minas Gerais e São Paulo, indo de uma companhia circense a outra, até que um dia, quando ele trabalhava na de Albano Pereira, o palhaço ficou doente e ele foi convocado para substituí-lo.

Começou, assim, uma jornada que duraria mais de cinco décadas, durante as quais ele atuou nos palcos-picadeiros e bastidores. Além de palhaço, foi ginasta, acrobata, músico, cantor, dançarino, ator, autor de músicas e peças teatrais e diretor de companhia.

Entre os dias 27 de novembro e 27 de fevereiro de 2022, a Ocupação Benjamin de Oliveira estará no piso térreo do prédio do Itaú Cultural, na avenida Paulista.

Compartilhe

Thais Senahttp://www.todosnegrosdomundo.com.br
Sou professora de inglês, formada em Comércio Exterior, estudante de Pedagogia na Universidade Federal de São Paulo e parte do grupo de Pesquisa Laroyê - Culturas Infantis e Pedagogias Descolonizadoras. Já atuei como professora voluntária e em projetos populares, fez formação em parceria com a Prefeitura de São Paulo e o Conselho Britânico e há 6 anos atua também na Ebony English, que ensina inglês com cultura negra.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES