fbpx
19.5 C
São Paulo
sexta-feira, 27 maio 2022
HomeDivulgação"Baianas", roda de conversa integrante do projeto Sou Encruzilhada, Sou Porta de...

“Baianas”, roda de conversa integrante do projeto Sou Encruzilhada, Sou Porta de Entrada. Sou Correnteza da Vida, Esquina Cortada: Ave Bixiga!, acontece dia 30

Baianas são inspirações musicais que passam pelo sentido literal, como Emicida e Caetano, Gil e João Gilberto, até o sentido mais ou menos figurado representado pelo Carnaval – a ala das baianas. Mais ou menos figurado porque, ainda que algumas das mulheres tenham realmente origem no estado nordestino, sua representação se dá Brasil afora. A ala das baianas é uma das mais tradicionais do desfile e geralmente conta com mulheres com uma longa história de carnaval. Como parte do projeto “Sou Encruzilhada, Sou Porta de Entrada. Sou Correnteza da Vida, Esquina Cortada: Ave Bixiga”, no próximo dia 30, haverá uma roda de conversa baianas da ala da Vai-Vai como convidadas.

MESTRE MÔA DO KATENDÊ RECEBE HOMENAGEM COLETIVA EM VIDEOCLIPE PRODUZIDO POR BLOCOS DE CARNAVAL DE RUA

Roda de Conversa “Baianas”, com Eloa Pimenta, Sandra Fátima Ferreira da Silva e Anália R. da Silva

A roda de conversa “Baianas” integra uma série de sete eventos mensais que fazem parte do projeto Sou Encruzilhada, Sou Porta de Entrada. Sou Correnteza da Vida, Esquina Cortada: Ave Bixiga! – contemplado pela 36ª Edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, da Secretaria Municipal de Cultura. O propósito final desta atual jornada do Teatro do Incêndio é a montagem de seu novo espetáculo.

O evento acontece no Teatro do Incêndio, no dia 30 de janeiro (domingo, a partir das 14h), em conversa aberta à comunidade, ao ar livre, na Rua 13 de Maio, nº 48, em frente à sede do teatro.

Conheça um pouco mais das convidadas:

Eloa Pimenta – 81 anos – é baiana da Vai-Vai há 60 anos. Escritora por hobby e enfermeira de formação, teve um rufar de bateria em sua formatura promovida pelo Mestre Feijoada. Devido à formação acadêmica, foi convidada a ministrar palestra no CEDO – Centro Educacional Dom Orione – Paróquia Nossa Senhora Achiropita. Eloa é sobrinha de Henrique Felipe da Costa (Henricão), um dos fundadores do Grêmio Recreativo, Cultural e Social Escola de Samba Vai-Vai, e conhecedora das histórias da agremiação, com a qual registra vivência desde os tempos dos desfiles na Rua São João, passando pela Avenida Tiradentes, até a passarela do samba no Complexo Anhembi.

Sandra Fátima Ferreira da Silva 65 anos – é formada em Direito, trabalha como oficial de justiça e, há 20 anos, integra a Escola de Samba Vai-Vai. Iniciou os trabalhos na agremiação como integrante Baiana, passou à função de secretária e, atualmente, é coordenadora da Ala das Baianas da Escola.

Anália R. Da Silva – 40 anos – é economista e advogada. Está há quatro anos como Baiana na Escola de Samba Vai-Vai, realizando um sonho que cultiva desde a sua infância: “Enquanto as meninas da minha época sonhavam em ser passistas, eu sonhava em ser Baiana”, relembra Anália. Antes, porém, desfilou na Imperador do Ipiranga em Ala Coreografada.

Haverá também um convidado:

Thiago Ferreira Praxedes – Mestre Thiago iniciou sua trajetória no samba ainda criança, quando a Unidos do Peruche realizava, na terça de carnaval, o desfile na Rua Zilda para quem não conseguia ir à avenida poder se fantasiar e brincar o carnaval. Como ritmista, desfilou pela Barroca Zona Sul, Peruche, Leandro de Itaquera, Mocidade Alegre e Vai-Vai. Participou dos blocos Flor de Liz, Me Engana que Eu Gosto, Caprichosos da Zona Sul e Torcida Jovem. No Rio de Janeiro, desfilou pelo Império Serrano, Portela e Mangueira como ritmista e Vila Isabel como folião.

Fundador do GRES Quilombo, escola que desfila antes dos desfiles oficiais, da qual foi presidente e mestre de bateria e hoje cuida da parte cultural da entidade. Na Barroca, foi o mais jovem diretor de bateria da história a entrar no sambódromo, aos 21 anos. Na ocasião, foi elogiado por Leci Brandão pela postura e disciplina. Foi também diretor da Imperador do Ipiranga com Mestre Dentinho (2009 e 2010).

Roda de conversa “Baianas” acontece no próximo dia 30 no Bixiga. (Foto: Reprodução)

Ave, Bixiga!

Iniciado em abril de 2021, o projeto Sou Encruzilhada, Sou Porta de Entrada. Sou Correnteza da Vida, Esquina Cortada: Ave Bixiga! engloba vivência artística para jovens, residência artística para coletivos teatrais, teatro para crianças e adolescentes (Sol-te) e rodas de conversa. Sua principal atividade é a montagem de um espetáculo sobre o Bixiga, que resultará de treinamento e pesquisa dramatúrgica, explorando a prática criativa do grupo, cuja estreia será em 2022.

“A estética fica gasta. A linguagem de um grupo também precisa ser questionada constantemente. Assim, nos propusemos o desafio de nos reaprender”, diz Marcelo Marcus Fonseca, diretor e fundador do Teatro do Incêndio. “Na verdade será um espetáculo feito com o Bixiga e não sobre ele”, completa. Desde o início do projeto, o elenco vem participando de aulas de ritmo, trabalhando na formação de uma pequena e simbólica bateria de escola de samba para compor as sonoridades cênicas do espetáculo.

As Rodas de Conversa compreendem vidas que se manifestam no carnaval, artistas de tradição cujas histórias servem de estímulo em parte importante da dramaturgia e referencial para a atuação no novo espetáculo da companhia. A presença de mestres de velha guarda e de outros componentes de escolas de samba têm como valor agregador não somente histórias da cultura popular, mas principalmente a vida subterrânea que sustenta as manifestações. Entre os convidados estão expoentes vivos do samba paulista, “pastoras” da velha guarda, compositores, responsáveis por alas, trabalhadoras e trabalhadores da harmonia, porta-bandeira e mestre-sala, passistas e ritmistas. 

Os encontros funcionam como resistência cultural popular ao confrontar o ontem e o hoje, o Brasil, o bairro e a cidade. Busca debater e orientar o processo, como fluxo e refluxo, sobre a cultura e sabedoria popular, diante da transformação social e habitacional. “Como toda ação de diálogo proposta pelo grupo, esses encontros sobre a riqueza inesgotável da raiz, da cultura e da vida brasileira continuam na trilha da discussão sobre identidade e tensão de um povo em constante construção. Desta vez afunilando o tema para carnaval, cortejos, desfiles e variações do samba”, afirma Marcelo Marcus Fonseca. 

Compartilhe

Thais Senahttps://todosnegrosdomundo.com.br
Sou professora de inglês, formada em Comércio Exterior, estudante de Pedagogia na Universidade Federal de São Paulo e parte do grupo de Pesquisa Laroyê - Culturas Infantis e Pedagogias Descolonizadoras. Já atuei como professora voluntária e em projetos populares, fez formação em parceria com a Prefeitura de São Paulo e o Conselho Britânico e há 6 anos atua também na Ebony English, que ensina inglês com cultura negra.
- Advertisment -
- Advertisment -

MAIS LIDAS

COMENTÁRIOS RECENTES