Opinião

A nega não tá maluca

Todo carnaval é a mesma coisa: vai chegando o final de fevereiro e o estereótipo da mulher negra se torna fantasia de quem jamais passou pelo bloco do bom senso.

O colorido da maquiagem mal passada, o andar desengonçado e a maneira caricata de se portar são características do que eles chamam de nega maluca.

Na internet, tutoriais de maquiagem e de fantasia preparada em casa reforçam os estereótipos e a violência simbólica sobre um personagem criado com base no racismo estrutural, mascarado de diversão às custas de uma parcela vulnerável da população.

Afinal, a nega não tá maluca. Nunca esteve. Na verdade, maluquice é entender uma expressão como essa enquanto brincadeira e perpetuar preconceitos. Maluquice não, irresponsabilidade.

A partir de composições como a da nega maluca, mulheres negras costumam ser ridicularizadas, hipersexualizadas ou entendidas como barraqueiras – às vezes, todas opções ao mesmo tempo -, o que colabora para a construção do imaginário social que as exclui e marginaliza diariamente.

A mulher negra está cada vez mais forte, cada vez mais livre, cada vez mais valorizada, cada vez mais engajada, cada vez mais empoderada. E isso também não é fantasia: é realidade.

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By Amanda Sthephanie
Load More In Opinião

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

#Maju: dos boatos sobre o desempenho ao racismo

Nesta quarta-feira (09), surgiram boatos sobre o desempenho ...

Facebook

Newsletter