Notícia

19 anos de prisão por crime racista nos EUA

Foto: Reprodução/AP

Foto: Reprodução/AP

Em 2015, na Geórgia (EUA), Kayla Rae Norton e Jose Ismael Torres cometeram crime de racismo contra uma criança de apenas oito anos. O casal invadiu a festa de aniversário do menino com bandeiras dos Estados Confederados, utilizadas pelo sul do país furante a Guerra Civil dos Estados Unidos, como forma de impedir a abolição da escravatura a partir de sua independência.

Além do racismo simbólico presente nas bandeiras, a dupla apontou ainda espingarda contra os presentes e bradou ofensas racistas durante a comemoração. A transgressão, caracterizada pelo juiz do caso como ‘crime de ódio’, rendeu 13 anos de prisão para Norton e 6 para Torres. Ao todo, o casal recebeu punição de 19 anos de prisão pelo crime.

Kayla e Jose não agiram sozinhos: estavam com, pelo menos, outras doze pessoas. Segundo a polícia, eles faziam parte de um grupo chamado “Respect the Flag”, formado por supremacistas brancos que se envolvem em ataques a negros e apoiam a Ku Klux Klan, que também prega a supremacia branca, o nacionalismo branco, a anti-imigração, dentre outras ações extremistas.

Hyesha Bryant, uma das convidadas da festa, declarou que o ato dos transgressores afetou sua vida e a de seus filhos. Toda fala ou atitude racista produz e estimula a condição da população negra na sociedade, como maior parcela em cárcere, em desemprego, em mortes, e como menor parcela em universidades e em altos cargos. Por isso, a punição severa para o preconceito racial é o mínimo de reparação sobre os reflexos históricos que os anos de escravidão causaram.

 

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By Amanda Sthephanie
Load More In Notícia

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Acompanhe o trabalho do jovem que se tornou suspeito por tirar fotos

Gabriel Souza tem apenas 17 anos. Trabalha como ...

Facebook

Newsletter