Beleza, Colunistas

Sobre transição capilar, cabelo crespos e afins Por Eliane Serafim

Depois de alisar o cabelo por 20 anos, eu deixei a química há 06 anos. Um processo que me renovou a consciência, e que me fez realmente perceber o que é ser uma mulher negra.

 

Foto Oscar Steiner

Foto: Oscar Steiner

O amadurecimento em relação à negritude vem por diversas formas. O cabelo é apenas uma delas.  Mas vamos deixar bem claro uma questão:  o empoderamento não depende só do  cabelo. Uma pessoa de cabelo alisado pode sim, ter consciência da sua negritude. O problema não é o cabelo ser liso ou crespo. O problema é o motivo que te levou a alisar.  O padrão europeu reforça o padrão do liso como perfeito há séculos, é um fator usado pra tentativa de embraquecimento.  Se você alisa o cabelo pra se sentir melhor, porque acha que só assim vai ter namorado, porque sem isso não vai conseguir trabalho ou porque se sente menor que o outro, precisamos parar pra conversar. O problema não é o cabelo, alisar não muda o fato de você ser negro. Independente disso se você não puder decidir o que fazer com o cabelo, que nasce na sua cabeça,  você vai resolver o que na sua vida?

Quando você decide usar o cabelo natural em 90% dos casos, você passa por mais problemas. Você sai do que as pessoas acham que é aceitável. Recebe críticas de tudo que é lado, inclusive dentro de casa. Quantas mulheres já me relataram que tiveram inclusive problemas com o companheiro em função de deixar o alisamento? Eu, inclusive, sou criticada pela minha mãe até hoje.

A vivência dessa experiência faz com que você perceba muita coisa que você viveu a vida inteira e não percebeu como racismo. Sim, ele está em toda parte. Mas quando se trata de cabelo, acompanha o negro desde a infância, na escola. Na adolescência a menina negra já não namora, imagina se tiver “aquele cabelo”. E a história é longa…

Quando a gente diz que usar o cabelo natural também é um ato político me desculpe quem não concorda, mas é. Ir contra o que foi estabelecido como padrão é político, sim. E tem consequências na vida prática. Não é romantizando as dificuldades que a gente fortalece as pessoas, mas se colocando ao
ado delas pra possam saber que não estão sozinhas e para que tenham força pra vencer as adversidades.

Agora o outro lado da história…

Você está usando o cabelo natural, passou por várias barreiras. E agora? Você está livre de ir ao salão alisar a raiz de 03 em 03 meses. Aprende a conhecer o próprio cabelo. O maior fruto que vejo nisso, é que você se ame como é. Mas nem tudo são flores. Estou navegando no web e encontro isso:

Foto

 

Quando a gente fala de cabelo, o objetivo é inspirar o sentimento de valorização da autoestima para que todos se AMEM. Não existe cabelo feio ou errado. A natureza não erra amor.  Claro que quem fez essa montagem não tem maturidade pra falar de cabelo, não discuto nem taco pedra.  A gente não fortalece ninguém recriminando. Onde falta luz, a gente tenta acender pelo menos uma vela.

Mas, pra quem está na fase de transição (período em que a pessoa para de alisar o cabelo mas ainda tem química no fio) e dá de cara com uma imagem dessas tem vontade de largar tudo.  E não é pra ter cacho perfeito que a gente larga a química. Cada um é perfeito como é. E pronto!

 

Lupita

Seja feliz do seu jeito. Com cabelo natural ou alisado, com cabelo com tinta ou sem, ou mesmo sem cabelo pra quem não quer ou quem não pode ter. A beleza não está nisso. A beleza vem da alma é ela que faz com que seu olhos  brilhem. O cabelo é uma parte importante do contexto, mas é só isso. Você tem liberdade de escolha.

Seja feliz no caminho que escolher!!

 

 

 

 

 

12988041_1089681024387312_1649825133_nEliane Serafim é mulher negra,  terapeuta capilar (Cabelo e Bem Estar), empreendedora social e criadora do Encrespa Geral, criadora e administradora da comunidade e grupo Amigas Cacheadas no Facebook.

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By TNM
Load More In Beleza

Facebook Comments

Um comentário


  1. Vivian Souza

    02/06/2016 em 11:33

    Decidi pela transição capilar há aproximadamente 2 anos. Minha mãe não gosta até hoje, mas meu então namorado, hoje marido, adora a forma como posso transformar meu cabelo a cada dia. Na rua as pessoas olham, alguns até com admiração…rsrsrsrs….e eu tenho certeza que consigo passar um pouco da minha personalidade através do meu crespo!
    Parabéns pelo texto!!

    Responder

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Lou Mungiele, a ‘rapunzel negra da vida real’

É possível, com apenas 6 anos de idade, ...

Facebook

Newsletter