Notícia

Racismo contra aluna negra na FGV de São Paulo

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Na última sexta-feira (03), durante um campeonato esportivo interno, uma graduanda negra foi hostilizada na Fundação Getúlio Vargas (FGV), universidade onde é caloura do curso de administração. “Negrinha, aqui, não”, gritou alguém dentre a torcida que estava na lateral da quadra. Após o comentário racista, o jogo foi interrompido e, infelizmente, apesar da revolta e comoção dentre os estudantes, ninguém conseguiu identificar o agressor.

A aluna de apenas 17 anos, que não quis ser identificada, faz parte do programa de estudos que atende pessoas de baixa renda da universidade, como política para diversificar o espaço e aumentar as oportunidades. O coletivo 20 de Novembro, que reúne os estudantes negros da instituição, oferecem seu apoio à caloura e seu repúdio ao ato, exigindo apuração do ocorrido e responsabilização dos culpados. A FGV informou ter aberto sindicância para apurar o caso.

Foto: Moisés Patricio/Reprodução

Entrar na universidade é, de fato, uma difícil conquista, considerando todos aspectos políticos, históricos, culturais e raciais a que a população negra é submetida, além do racismo institucional. No entanto, conforme alunos negros integram o grupo de formandos na faculdade, outro empecilho é revelado: permanecer é tão fatigante quanto ingressar.

Compartilhe esta notícia
  • Foto: Reprodução
    Notícia

    Racismo contra aluna negra na FGV de São Paulo

    Na última sexta-feira (03), durante um campeonato esportivo interno, uma graduanda negra foi hostilizada na Fundação Getúlio Vargas (FGV), universidade onde ...
Load More Related Articles
Load More By Amanda Sthephanie
Load More In Notícia

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Jogadora de basquete usa vestido como protesto

Quem disse que todas as pessoas se contentam ...

Facebook

Newsletter