Notícia

Pesquisa revela como os negros são vistos por europeus brancos

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos revela quais os pensamentos automáticos que os brancos europeus têm em relação aos negros. A partir deste resultado, foi criado um mapa para ilustrar a diferença entre os países. A pesquisa é uma iniciativa da Universidade de Harvard e fica disponível no site para pessoas de todo o mundo terem a oportunidade de responderem.

Com o nome de Projeto Implícito, este estudo analisa a velocidade da resposta através de um Teste de Associação Implícita (IAT). Este teste mede a facilidade que a pessoa tem em relacionar itens de categorias diferentes. No caso do aspecto escolhido para a análise da pesquisa foi verificar com qual velocidade os brancos europeus associam aspectos bons e aspectos ruins a pessoas negras. O site Carta Capital traz um mapa com os resultados relacionados ao período de 2002 a 2015:

Foto: Reprodução/PolitikeCartaCapital

Foto: Reprodução/PolitikeCartaCapital

 

Quanto mais vermelho e maior a pontuação, mais rápido as pessoas daqueles países são em associar negros a adjetivos ruins e mais lentas são ao associá-los a adjetivos bons. A pontuação abaixo de zero significaria que os países associam negros a adjetivos bons, o que não aconteceu. Já, se algum tivesse ficado perto de zero indicaria que não se pensa nem bem, nem mal sobre os negros – o que também não aconteceu. O Teste de Associação Implícita mostra o que você pensa intimamente, sem que dê tempo de passar pelos filtros sociais, que construímos ao longo do tempo baseado no que é aceitável socialmente. Logo, o discurso “Não sou racista, até tenho amigos negros”, não ajuda a manipular o resultado do teste.

Há algumas questões importantes a serem colocadas ao analisarmos os resultados de uma pesquisa científica. Esta pesquisa está disponível apenas no site da Universidade e quem tem acesso a este tipo de informação são pessoas que têm o hábito de navegar pela internet e, mais especificamente, que têm contato com o mundo acadêmico. As perguntas do questionário estão totalmente em inglês, por isso, as pessoas provavelmente entendem o idioma ou utilizaram recursos de tradução online, o que muitas vezes não é totalmente fiel ao sentido das palavras. Por isso, devemos entender que este não é um retrato da população completa de cada um destes países, mas de uma parte dela. Ainda assim, é interessante verificarmos que até mesmo uma pesquisa científica pode afirmar muito do que vemos e vivemos nos países europeus. E aqui mesmo, no nosso site, já publicamos diversas notícias de racismo no continente.

É importante lembrar que, apesar dos comportamentos não serem totalmente explicados pela associação implícita, esta pode influenciar na tomada de uma decisão ou impulsionar o comportamento discriminatório e racista. Este resultado pode nos ajudar a comprovar a base de desde os atos de racismo, até o andamento de políticas públicas para pessoas negras. Afinal, o Direito e todo tipo de poder são construídos por pessoas, e pessoas que possuem crenças sobre outras.

Caso queira conhecer a pesquisa, acesso o site: https://implicit.harvard.edu/implicit/.

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By Luiza Peres
Load More In Notícia

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Grande evento na Rússia é marcado por ato racista

Dia 17 de junho começará a Copa das ...