Opinião

Opinião: Caso Cláudio Botelho e o medo do racista de ser chamado de racista, por Luiza Gannibal

 

Opinião – Por Luiza Gannibal

O episódio “Claudio Botelho” e seu pedido de desculpas deixou uma coisa – que todos nós pretos já sabíamos, aliás – bastante evidente: o branco morre de medo de ser chamado de racista.

Ele não aceita essa pecha. Você pode dizer o que for pro sujeito, mas chamá-lo de racista não, jamais, ele não é, em hipótese alguma.

E, pra se safar dessa “encrenca”, ele vai fazer de tudo: pedir ajuda dos coleguinhas (ainda mais racistas), sugerir uma história cabulosa, dizer que não disse “negro”, imagine, que disse foi “nêgo”, referindo-se a “uma pessoa qualquer”.

Ou, no mais provável dos cenários, vai tergiversar, tentar despistá-lo, reivindicar que estão tratando-o como bode expiatório, porque ele não pode pagar por todos os males do mundo; ou fazer-se de sonso e pobre coitado, como se você estivesse atentando contra sua honra e ofendendo-o no mais íntimo de seu ser.

Não branco. Não. Não há problema nenhum em assumir-se racista. Mesmo por que você não está sozinho nessa. Tem racista a dar com pau por aí. A sociedade é racista, o racismo a estrutura, forma seus pilares, e os que mais perdem com isso somos nós, pretos.

É preciso que se entenda, de uma vez por todas, que assumir-se e reconhecer-se racista (por mais que isso doa, e é preciso doer) é das posturas mais verdadeiras que podemos testemunhar atualmente.

O branco nos ofende muito mais quando diz que não é racista, após um fato consumado (ou dezenas de fatos e situações), do que quando simplesmente assume seu racismo – com o adendo de que deseja mudar.

Porque só se assumindo racista que o sujeito pode começar a vislumbrar um horizonte de mudanças rumo a uma sociedade menos racista ou, o que me parece um tanto utópico, uma sociedade onde o racismo inexista. Não há outro meio. Fica a dica.

PS: Okay. Você não precisa assumir em público. Mas, pelo menos, assuma pra si mesmo. Já é um avanço.

 

Luiza Gannibal – Jornalista, afrofuturista e doutoranda em Literatura e Cultura Russa na USP (Universidade de São Paulo)

 

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By TNM
Load More In Opinião

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Dia do jornalista… Mas cadê o jornalista negro?

Por Amanda Sthephanie Em geral, quase nunca escrevo ...