Televisão

Nando Cunha critica a ausência de negros na televisão

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

“Muita gente me pergunta na rua quando voltarei às novelas. Respondo sempre que não depende de mim. O que falta é oportunidade”, declarou em sua rede social o ator Nando Cunha, em desabafo sobre o quanto é difícil trabalhar na televisão. Aos 50 anos, o artista que está em cartaz no teatro, pela comédia “Oi, Quer Teclar?”, critica a inclusão de negros em papéis marginalizados, forma que reforça os estereótipos sociais e reafirma um papel inferior à população majoritária deste país.

O ator disse ainda que “Assim que nós, negros, deixarmos de ser vistos como núcleos (núcleo de favela/núcleo dos suburbanos) e passarmos a ser vistos como atores normais, assim como foi no filme Moonlight [2017], com certeza teremos muito mais oportunidades”. E ele tem razão: sua publicação rendeu likes e comentários como o de um internauta, comparando a realidade brasileira à norte-americana: Verdade, a gente vê séries nos Estados Unidos e os negros tratados como iguais na ficção, em papéis como presidente, empresários etc. Já no Brasil negro, para entrar em novela, é na favela, motorista, escravo, é um absurdo isso”.

Sem papéis na Globo desde 2015, Nando Cunha trouxe novamente à tona um debate antigo sobre representatividade. Seu último personagem foi em “Tomara que Caia”, em 2015. Antes disso, interpretou em “Geração Brasil”, em 2014, mas recorrentemente assumia papéis cômicos, como o de “Salve Jorge” (2012). Nessa novela, Nando dava vida à Pescoço, um malandro nato. Daí a preocupação do ator sobre os papéis que a parcela negra ocupa: algumas personas podem fortalecer estereótipos a que já estamos cansados de ser submetidos, como o do homem cara de pau, da mulher barraqueira, de ambos sensuais.

Foto: Reprodução/Facebook

 

Infelizmente, além de reivindicar a representatividade, é necessário avaliar com cuidado se a presença da comunidade negra nos espaços antes não alcançados não acontece da mesma maneira que antes, quando éramos incluídos apenas para sermos motivo de chacota. É necessário incluir as parcelas marginalizadas nos espaços de poder, seja na televisão, seja na vida real. É hora de escrever nosso próprio roteiro! Parabéns à Nando Cunha pela coragem de explanar uma lacuna social tão grande.

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By Amanda Sthephanie
Load More In Televisão

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Família de Érico Brás o emociona com homenagem

Tamanho Família é o nome do programa da ...

Facebook

Newsletter