Notícia

Modelo negra da campanha de Dove se manifesta sobre a polêmica

22051364_10213368819551407_8815618368947595870_o

O nome dela é Lola Ogunyemi, nascida em Londres, criada em Atlanta e filha de nigerianos. Em entrevista ao jornal The Guardian, a modelo negra que é uma das protagonistas do polêmico comercial do sabonete líquido de Dove, se manifesta sobre a polêmica que viu a sua imagem ser envolvida.

Uma manhã, acordei com uma mensagem de um amigo perguntando se a mulher em um post que ele tinha visto era realmente eu. Entrei na internet e descobri que eu havia me tornado, involuntariamente, o cartaz para propaganda racista. Se você digitar “anúncio racista” no Google, agora mesmo, uma foto do meu rosto aparecerá como primeiro resultado.

Eu estava entusiasmada por fazer parte do comercial e promover a força e a beleza da minha raça. Então, ver que essa imagem era o retrato de uma indignação generalizada, foi perturbador.

Chamadas estavam sendo feitas para boicotar os produtos Dove, e amigos de todo o mundo estavam me procurando para saber se eu estava bem. Fiquei impressionada com o quão controverso o anúncio se tornou.

5ae069_0c8b499068374d8d9781ab65ccb9744d~mv2

Se eu tivesse a menor inclinação de que eu seria retratada como inferior, ou como “antes” em uma situação de antes e depois, eu teria sido a primeira a dizer um “não” enfático. Eu teria, infelizmente, ido embora. Isso é algo que vai contra tudo o que represento.

No entanto, a experiência que tive com a equipe Dove foi positiva. Eu passei um tempo maravilhoso no set de filmagem. Todas as mulheres na filmagem entenderam o conceito e o objetivo geral – usar nossas diferenças para destacar o fato de que toda a pele merece gentileza e carinho.

Lembro-me que todas nós ficamos entusiasmadas com a idéia de usar camisetas nudes e nos transformarmos umas nas outras. Não estávamos certas de qual olhar daria a edição final, nem qual de nós seria realmente apresentada. Mas todas parecíamos bem representadas durante a filmagem, inclusive eu.

Então, o primeiro anúncio foi lançado no Facebook: um videoclipe de 13 segundos em que eu apareço, uma mulher branca e uma mulher asiática que, conforme vamos tirando as camisetas nudes, mudamos uma para a outra. Eu amei. Meus amigos e familiares adoraram. As pessoas me parabenizaram por ser a primeira a aparecer, por parecer fabuloso e por representar a Black Girl Magic. Eu estava orgulhosa!

Então, o comercial de TV completo de 30 segundos foi lançado nos EUA e eu estava novamente na lua. Havia sete de nós na versão completa, raças e idades diferentes, cada uma de nós respondendo a mesma pergunta: “Se sua pele fosse uma etiqueta de lavagem, o que ela diria?”

Novamente, eu era a primeira modelo a aparecer no anúncio, descrevendo minha pele como “20% seca, 80% brilhante” e aparecendo novamente no final. Adorei e todos à minha volta pareciam ter gostado. Eu acho que a edição completa da TV faz um trabalho muito melhor de tornar a mensagem da campanha alta e clara.

Há, definitivamente algo a ser dito aqui sobre como os anunciantes precisam olhar além da superfície e considerar o impacto que suas imagens podem ter, especificamente quando se trata de grupos marginalizados de mulheres. É importante verificar se o seu conteúdo mostra que a voz do seu consumidor não é apenas ouvida, mas também valorizada.

Posso ver como as fotos que estão circulando na web foram mal interpretadas, considerando o fato de que Dove enfrentou uma reação no passado pelo mesmo problema. Há uma falta de confiança aqui, e eu sinto que o público estava justificado em sua indignação inicial. Dito isso, também vejo que muito foi deixado de fora. A narrativa foi escrita sem dar aos consumidores um contexto no qual basear uma opinião final.

Enquanto eu concordo com a resposta de Dove para se desculpar inequivocamente por qualquer ofensa causada, eles também poderiam ter defendido sua visão criativa, e sua escolha para me incluir, uma mulher negra de pele escura, como um rosto de sua campanha. Eu não sou apenas uma vítima silenciosa de uma campanha de beleza equivocada. Sou forte, sou linda e não vou ser apagada.

Fonte: The Guardian

 

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By TNM
Load More In Notícia

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Aplicativo resgata alfabeto angolano com jogos e brincadeiras

Desenvolvido por educadores que atuam em escolas municipais ...

Facebook

Newsletter