Notícia

Juiz americano obriga jovens racistas a ler autores negros e visitar museu do Holocausto

escola

Escola depredada por alunos racistas em Virginia. Foto: Washington Post

Uma escola da comunidade de Ashburn, no estado da Virginia, foi depredada por cinco adolescentes entre 16 e 17 anos, que escreveram diversas expressões racistas e desenharam suásticas nas paredes. Ao invés de simplesmente punir os jovens, o juiz responsável pelo caso sentenciou que todos eles deveriam visitar o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos, ler livros de autores negros, judeus e afegãos e também escrever um trabalho sobre discurso de ódio.

A intenção do juiz com a medida foi dar aos meninos uma lição de vida: mostrar que discursos de ódio podem ter consequências nefastas a sociedade. “Aquele realmente pareceu ser um bom momento para ensinar. Nenhum deles parecia compreender, até que tudo isso explodiu nos jornais, a seriedade do que haviam feito. Era uma oportunidade para ensiná-los sobre raça, religião e discriminação” — afirmou o juiz ao jornal “Washington Post”.

Moradores colaborando com a restauração. Foto: Washington Post

Moradores colaborando com a restauração. Foto: Washington Post

A escola depredada pelos jovens é histórica e recebeu alunos negros entre 1892 e a década 50, quando negros e brancos foram segregados pelo Apartheid. O caso mobilizou os moradores e durante a restauração da escola, mais de 600 pessoas colaboraram.

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By TNM
Load More In Notícia

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Mandelar: Semana Nelson Mandela no SESC termina com celebração ao legado do líder

  Celebração do legado e a importância do ...