Notícia

Intelectuais fazem chamado para greve geral feminista

O movimento feminista tem se repensado para abranger uma diversidade maior de reivindicações. Será que a igualdade pela qual luta a mulher negra é a mesma igualdade que luta a mulher branca? E quanto às mulheres imigrantes, refugiadas, transgênero, homossexuais ou pobres? Em que medida o movimento tem abraçado as reivindicações de todas essas mulheres como uma pauta própria e não como um “anexo” às reivindicações da “mulher universal”, que sabemos, tem a mulher branca como referência.

Eis que a era Trump fez com que o debate no interior do movimento tomasse um novo fôlego e para esse dia 8 de março de 2017, intelectuais de diversas origens se reuniram para chamar uma GREVE GERAL INTERNACIONAL. O texto publicado na Viewpoint Magazine tem o título de ‘Para além do “faça acontecer”: por um feminismo dos 99% e uma greve internacional militante em 8 de março’. O texto foi traduzido por Daniela Mussi para o Blog Junho e quem assina é Angela Davis, Cinzia Arruzza, Keeanga-Yamahtta Taylor, Linda Martín Alcoff, Nancy Fraser, Tithi Bhattacharya e Rasmea Yousef Odeh.

Keeanga-Yamahtta Taylor é autora do livro "From #BlackLivesMatter to Black Liberation"

Foto: Reprodução. Keeanga-Yamahtta Taylor é autora do livro From #BlackLivesMatter to Black Liberation

Segundo o texto, é preciso mais do que a luta direta contra Trump, é preciso lutar contra a política que ele representa. “Em nossa opinião, não basta se opor a Trump e suas políticas agressivamente misóginas, homofóbicas, transfóbicas e racistas. Também precisamos alvejar o ataque neoliberal em curso sobre os direitos sociais e trabalhistas (…) As condições de vida das mulheres, especialmente as das mulheres de cor e as trabalhadoras, desempregadas e migrantes, têm-se deteriorado de forma constante nos últimos 30 anos, graças à financeirização e à globalização empresarial”.

Como saída, o texto propõe um novo tipo de feminismo que segundo elas vem sendo buscado de forma consciente em diversas partes do mundo. Elas citam a Polônia, a América Latina, Itália, Coréia do Sul e Irlanda. Mencionam que essas lutas articulam pautas como o direito reprodutivo, oposição à violência masculina, com “oposição à informalização do trabalho e à desigualdade salarial, ao mesmo tempo em que se opõem às políticas de homofobia, transfobia e xenofobia”. Trata-se de um movimento capaz de abranger as diferenças entre as mulheres.

Foto: Reprodução. Angela Davis

Foto: Reprodução. Angela Davis

A proposta para a construção desse novo movimento feminista é começar no dia 8 de março com uma greve internacional contra a violência masculina e na defesa dos direitos reprodutivos. A proposta é construir um “dia internacional de luta – um dia de greves, marchas e bloqueios de estradas, pontes e praças; abstenção do trabalho doméstico, de cuidados e sexual; boicote e denuncia de políticos e empresas misóginas, greves em instituições educacionais”. Por fim, elas reafirmam que a luta é por “um feminismo para os 99%, um feminismo de base, anticapitalista; um feminismo solidário com as trabalhadoras, suas famílias e aliados em todo o mundo”.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Tudo o que reclamávamos que o feminismo branco não reivindicava, como a morte de nossos filhos negros, a luta pela regulamentação do emprego doméstico, só pra dar exemplos iniciais, parece que agora pode começar a ser discutido. Espero de verdade que possamos travar uma mesma luta por direitos para a base. Como elas disseram, que seja um feminismo com as trabalhadoras. E que o 8 de março honre a luta das mulheres trabalhadoras que deram sentido ao dia.

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By Angela Peres
Load More In Notícia

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Mandelar: Semana Nelson Mandela no SESC termina com celebração ao legado do líder

  Celebração do legado e a importância do ...