Notícia

Do blackface ao blackskin – pelo fim dos estereótipos

No último dia 21 (sábado), o espetáculo “Trem de Minas”, no Teatro Raul Belém Machado, contou com um fechamento especial. Um grito de protesto reivindicou respeito aos artistas negros e a forma como somos representados nos palcos. O manifesto contra o blackface utilizado na peça tornou possível relembrar o quanto o protagonismo ainda é necessário e o quanto estamos distantes do fim desses estereótipos.

"Trem de Minas". Foto: Reprodução

“Trem de Minas” e o personagem de meias pretas e pele pintada. Foto: Reprodução

Além do rosto pintado, um dos protagonistas utilizava, ainda, uma roupas e acessórios da cultura negra de forma bastante caricata, evidenciando o papel como forma de satirizar não somente a pessoa negra, mas também tudo o que lhe foi atribuído por sua expressão cultural. Diante disso, de punhos cerrados, cidadãos e artistas negros repudiaram a prática adotada por atores brancos para representar personagens negros, como se a cor fosse configurada como uma espécie de fantasia. 

No Brasil e no mundo, muitos artistas se valem do blackface para representar seus papéis, o que revela a ridicularização do negro em primeira escala e, em segunda, a sua exclusão: não se pinta o rosto de preto apenas para tirar sarro do fenótipo da população negra, mas ainda para que ela não seja inserida nas peças teatrais, fazendo valer a representatividade.

Personagem de Êta Mundo Bom, com o rosto pintado. Foto: Divulgação

Personagem de Êta Mundo Bom, com o rosto pintado. Foto: Divulgação

A prática racista surgiu dentre os séculos XVII e XIX nos EUA, com o objetivo esdrúxulo de ridicularizar pessoas negras em shows populares frequentados por brancos. Hoje há quem considere o blackface apenas uma forma de expressão dentro das artes cênicas, como provavelmente é o caso dos atores em cena em “Trem de Minas”. A pintura preta num rosto branco não parece a nós, negros, uma forma criativa do campo cênico, mas reforça a falta de respeito aos atores negros que se dedicam a subir nos palcos e compensar os mais de 500 anos de exclusão que vivemos.

Segundo o diretor Luiz Antônio Pilar, “Esses pseudos-artistas, ao lançarem mão desse subterfúgio, prestam um desserviço ao teatro, não somente pelo preconceito inerente a esse tipo de cena e de representação mas, também, pela demonstrada falta de respeito à celebração maior do fazer teatral: a comunhão entre todos”.

Sabemos que nenhuma esfera da sociedade está ilesa a ideologias racistas, por isso ao invés de encarar de forma reativa, os artistas, assim como publicitários e outros profissionais formadores de opinião, deveriam conhecer mais as discussões sobre desigualdades estruturais no nosso país – mesmo sendo eles homens, brancos, cisgênero e de classe média ou alta. Após o manifesto lido pelos manifestantes negros, a produção não mais pintou o rosto de um dos atores, mas permaneceu a adotar uma meia preta nos braços e pernas, ainda imitando a pele negra. Agora, então, a moda racista será a blackskin, uma espécie de segunda pele através de tecido?

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By Amanda Sthephanie
Load More In Notícia

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Taís Araújo vibra em Angola ao lado de Pérola

Ao lado de Lázaro Ramos e Luís Miranda, ...