Colunistas, Dança

Diário de Viagem: Terceira parada da bailarina que viaja o Brasil para experimentar danças Afro

Diário de Viagem: Hoje apresentaremos a terceira parada da bailarina que viaja o Brasil para experimentar danças Afro.

 

A primeira aula em São Paulo foi de Zorre. Uma aula dada por duas professoras de origem moçambicana, Inês Queme com apoio de Lenna Bahule. As duas, de forma muito animada e cheias de sorrisos, elevaram o astral da aula com cantos e coreografias.

Nesta aula a principal tarefa foi soltar o quadril. Soltar de uma maneira imensamente diferente do rebolado do axé, da contração da dança de orixás ou do sobe e desce do funk. Para dançar Zorre, mantém-se a cintura parada no lugar, enquanto o quadril se move rapidamente em círculos. Quando bem dançado, é verdadeiramente lindo!

Além das explicações dadas em aula pelas professoras, a respeito de em quais regiões e situações se dança Zorre, elas ainda criaram um grupo no Facebook para os alunos que tiverem interesse em conteúdo extra sobre as danças poderem estudar.

Um pouco do que aprendi foi que Zorre se originou na região de Zavala, em Inhambane. A dança, antigamente, era feita como uma forma de celebração da tribo vencedora da guerra travada entre Chopes (do sul de Moçambique) e Ngunis (da África do Sul).

Atualmente o Zorre é executado com palmas e canto, principalmente, por mulheres em trajes de capulana (canga), o que valoriza o bumbum. É dançado tanto em momentos bons, quanto ruins.

 

 

Nessa aula, especificamente, cantamos Hoya Hoya, do artista Mingas e U Xonguile, de Anita Macuacua.

 

Uma aula tranquila e não rígida, em que não se repetem demais os passos. É focada mais em deixar os alunos felizes e desestressar. Como dito pelas professoras: uma aula quase terapêutica.

 

Uma pequeníssima amostra da aula:

 

Os valores das classes são acessíveis e pode ser praticada por quem nunca fez nenhum tipo de dança.

As aulas acontecem nas segundas e quartas, das 19:30 às 21:30, no Dojo Harmonia.

Endereço: Rua dos Cariris, 13 – Altos Pinheiros, São Paulo/SP.

Contato pelo e-mail: mocambiquecultural@gmail.com

 

 

Perfil Camila CamargoCamila Camargo é negra e bailarina, aspirante a produtora cultural e a percussionista. É formada em Publicidade e Propaganda pela ESPM-Sul e especializada em Design Estratégico pela UNISINOS em Porto Alegre. Está sempre buscando as melhores experiências que o mundo pode proporcionar e os aprendizados que elas trazem. Muito ligada à espiritualidade, tem como intenção de vida criar movimentos de conexão.

 

 

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By TNM
Load More In Colunistas

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Afropunk Festival: ativismo, representatividade e cultura negra em Nova Iorque

  Afropunk Festival: ativismo, representatividade e cultura negra ...