Hoje é

Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Setenta negros mortos pelo projétil da polícia. Parece hoje, mas não era. Na África do Sul, negros carregavam sempre uma caderneta. Quem dera fosse para escrever anseios e devaneios. O caderninho, na verdade, era uma espécie de mapa: indicava quais lugares negros podiam frequentar.  O livrete era uma das mais poderosas armas do apartheid, regime de segregação racial adotado de 1948 a 1994. Só não era mais poderoso que o fuzil das autoridades que invadiu o corpo dos pan-africanistas que reivindicavam a extinção da “lei do passe”, no 21 de março de 1960, em Sharpeville.

O massacre de Sharpeville, como ficou conhecida a tragédia, reforçou a supremacia branca sobre a maior parte do país, composta pela população negra e estabeleceu, mais uma vez, a coerção sobre os militantes negros. Na época da chacina, o Congresso Pan-Africanista – criado por alguns descontentes setores do Congresso Nacional Africano que discordavam da política multiétnica do movimento – tinha apenas dois anos de atuação. Boa parte do grupo mal teve tempo de lutar por seus direitos, dada a interrupção da vida enquanto marchavam contra os reflexos do sistema escravocrata. 

Em memória a esse acontecimento, foi instituído o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial, em 21 de março, hoje também conhecida como Dia Internacional Contra a Discriminação Racial ou Dia Internacional de Combate ao Racismo. A data, criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), resgata o ideal de luta de quem morreu na manifestação de 1960, o fim da discriminação racial e a constituição de uma sociedade igualitária.

Hoje, em todo o mundo, 21 de março é dia de reivindicar a igualdade independente da cor, a partir de um ideal de justiça e liberdade, defendendo os princípios constitucionais. Mas além disso, é o momento de lembrar os 70 desse massacre e os milhares de outros massacres, desde a escravização até muito depois da abolição. Inclusive, até hoje, quando a população negra continua à margem da sociedade, submetida a um racismo institucionalizado que apunhala pelas costas 54% do Brasil.

 

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By Amanda Sthephanie
Load More In Hoje é

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

20 de Novembro: Dia da Consciência Negra

20 de novembro, dia de andar armado. No ...