Oportunidade

Curso gratuito: FLUP, Film2B e Globo se juntam para a formação de roteiristas negros

Há seis edições, a FLUP vem se destacando como uma plataforma de criação de grandes histórias literárias. Numa inédita parceria com a Film2b, ela oferecerá agora um processo de formação na área de roteiro, que contará, entre outros, com talentos da dramaturgia da Globo. É o primeiro Laboratório de Narrativas Negras para Audiovisual.

O processo oferecerá uma formação para 30 potenciais roteiristas que se autodeclarem negras ou negros, com encontros semanais com grandes nomes da TV e do Cinema nacional. Será um espaço de trocas, aprendizados e novos repertórios literários e cinematográficos.

O Laboratório tem como objetivo incentivar a produção de narrativas potentes e criativas de roteiristas negras e negros, suprindo uma incompreensível lacuna da nossa produção audiovisual. Somente as pessoas negras podem reinventar seu lugar em nossa dramaturgia.

A brutal crise política e econômica do país pode ter nos roubado a esperança por dias melhores, mas, qualquer que seja a ideia de futuro para o Brasil, ela obrigatoriamente implica uma discussão mais ampla sobre as heranças da escravidão. No Brasil, as pessoas negras representam 51% da população e 76% das mais pobres.

Uma leitura rasa de nossas estatísticas já é o bastante para mostrar que onde a ideia de República está mais longe de se universalizar é nas áreas em que o povo negro é maioria. A favela e os presídios são os exemplos mais dramáticos, mas não os únicos de um racismo que pode ter como pior faceta o fato de não ser assumido.

:: O Negro em Hollywood

O Oscar de 2016 foi marcado pela ausência de filmes dirigidos, roteirizados e interpretados por pessoas negras na noite da entrega das estatuetas, mas também pela justa indignação dos africanos-americanos diante da indiferença da academia em relação à sua produção. Descobriu-se na ocasião que apenas 30 negros tinham sido indicados, decorrentes da produção de 28 filmes. Além de serem poucos, eles só reconheciam a qualidade de filmes em que o negro desempenhava papeis subservientes ou violentos.

A força da democracia estadunidense, onde as grandes instituições são pautadas pela opinião pública, reverteu esse quadro em apenas um ano. Na cerimônia do Oscar de 2017, não apenas havia diversos filmes envolvendo a questão negra concorrendo em diversas categorias, como o prêmio de melhor filme ficou com Moonlight, do diretor Barry Jenkins. Além disso, houve um deslocamento temático, mais presente no filme Hidden Figures (Estrelas além do tempo), cujas protagonistas tiveram importante papel na corrida espacial da Era Kennedy.

Essa tendência só fez se confirmar com a recente aprovação de uma lei do estado de Nova York, destinando não menos que cinco milhões de dólares para a contratação de cineastas ligadas às minorias: “Nos últimos anos, a indústria audiovisual entendeu que o aumento da diversidade na escrita e na direção melhora a qualidade das histórias que aparecem nas telas.”

A dramaturgia brasileira, em sua quase totalidade, é produzida por escritores brancos. Um estudo conduzido pelo Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMA) da UERJ, e divulgado em março de 2017, apresenta dados que foram coletados a partir da análise das 219 maiores bilheterias de filmes brasileiros entre 1995 e 2016. Apenas 3% dos roteiristas são negros. E esta cifra cai para 2% na direção. Não foram encontradas nem diretoras nem roteiristas negras no universo de obras analisadas.

Em um país onde a maior parte da população é negra e esta está sub-representada na mídia, é preciso realizar ações que contribuam para mudar este quadro. Formar e capacitar profissionais negras e negros que possam atuar nas mais variadas funções do audiovisual são ações indispensáveis para mudar este quadro.

Neste contexto, a FLUP e a Film2b aliam suas experiências para criar um projeto com duplo viés: a formação de roteiristas negras e negros para a criação de narrativas audiovisuais e a criação de um ambiente que provoque e instigue a criatividade para fazer emergir histórias e personagens latentes de um universo ainda pouco explorado e representado pela nossa dramaturgia.

 

gráfico 1-2

O processo de formação do Laboratório de Narrativas Negras para Audiovisual contará com uma parceria da Globo, que viabilizará a participação de profissionais de sua equipe como palestrantes e oportunidades de capacitação para os selecionados que mais se destacarem.

Quem pode participar?

Pessoas autodeclaradas negras
• Maiores de 18 anos
• Ficha de inscrição corretamente preenchida
• Disponibilidade para participar presencialmente de todos os encontros propostos

Processo seletivo

Abertura de inscrições: 07 de julho de 2017
• Encerramento de inscrições: 16 de julho de 2017, às 23:59
• Divulgação dos selecionados: 25 de julho de 2017
• Encontro para dirimir dúvidas e esclarecer as etapas do processo: 26 de julho de 2017

Todos os encontros serão presenciais na cidade do Rio de Janeiro, realizados aos sábados, das 14h às 18h. Os palestrantes incluem roteiristas da Rede Globo e do mercado de produção independente do audiovisual.

Clique AQUI para maiores informações e para fazer o cadastramento.

 

 

Compartilhe esta notícia
Load More Related Articles
Load More By TNM
Load More In Oportunidade

Facebook Comments

deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Além disso, verifique

Oficina gratuita de contos está com inscrições abertas em SP

A Editora Kazuá divulga o projeto ESCANGALHAR: Oficina Palavra em Construção, orientada ...

Facebook

Newsletter